20/08/2011

ENTREVISTA: Lima Neto, autor de Espelho Quebrado e Uma História em Cinco Vozes

Boa noite pessoal! O escritor Lima Neto, autor dos livros Espelho Quebrado e Uma História em Cinco Vozes, concedeu uma entrevista exclusiva ao blog Nessa News. Confiram!




SOBRE O AUTOR:

Lima Neto nasceu em Natal, em 1983, formou-se em história pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, e enveredou desde cedo pelos caminhos da literatura.


Em 2008 inaugurou o blog (lugardaspalavras.blogspot.com), através do qual publica, semanalmente, textos de sua autoria, como contos, crônicas e artigos. Em 2009 lançou seu primeiro livro de contos, Uma História em Cinco Vozes, também pela Editora Sol. Espelho Quebrado é seu primeiro romance.


ENTREVISTA:


Qual foi a sua inspiração para escrever Espelho Quebrado?

Surgiram mil e uma inspirações para escrever o Espelho Quebrado, mas, quando o inicie, não tinha a menor noção de como ia terminá-lo. O fim de Espelho Quebrado, na verdade, era o fim de outra história, que eu sabia o fim, mas não tinha a mínima ideia de como começar. Então, a medida que eu ia escrevendo Espelho Quebrado, vi que, pouco a pouco, a história se encaminhava para um final do outro livro. E, também, quando o terminei, o livro tinha mil e um nomes, menos Espelho Quebrado. O título veio por um acaso, quando eu já estava desesperado, prestes a mandar o livro para a editora, e, num momento de completa paz, coloquei um CD dos Engenheiros do Hawaii para escutar (o “Filmes de Guerra Canções de Amor), na faixa 8, para ser bem preciso, na música “Alívio Imediato”, que ouvi a frase “nesse espelho quebrado por alguém que partiu”. Pronto... surgiu o título, que casou perfeitamente com o que a frase da canção dizia.
O que quis retratar com o livro foi uma história que, apesar de fictícia, pode ser perfeitamente real, não como foi escrita, do início ao fim, mas de momentos. Todos nós já perdemos um alguém querido, já nos mudamos de casa, de escola, e isso são eventos traumáticos e dolorosos em nossas vidas. Já nos apaixonamos perdidamente, fantasiamos amores e nos machucamos com a mesma intensidade e velocidade com que amamos. Os dois últimos momentos do livro retratam a realização da vida de um homem e seu desespero, quando vê que pode perder aquela a quem tanto ama, e resolve não se matar, mas dar a vida por alguém a quem ama.
Acho que a vida, tal como a vivemos, não como a fantasiamos, foi a minha principal e maior “fonte de inspiração” para escrever Espelho Quebrado.

Você enfrentou muitas dificuldades para publicar seus livros?

Há, sempre, muita dificuldade para se publicar livros, principalmente para escritores em início de carreira, como eu. As editoras grandes, por melhor que seja o seu texto, por mais surpreendente e marcante que seja sua história, não dá a mínima atenção aos escritores “sem nome”, de forma que nós, escritores-sem-nome temos que recorrer a editoras pequenas, a fazer edições independentes para publicar os livros.
Eu tive muita dificuldade, sim, para publicar (e ainda tenho), mas tive muita sorte na vida de ter muitos e excelentes amigos, que sempre me apoiaram, me incentivaram e me fizeram ver que era possível, sim, se acreditar num sonho e correr atrás do que se quer, por mais difícil que seja de se realizar tal sonho.

Quais são os seus autores favoritos?

Eu sou, sempre disse, um completo apaixonado por literatura. Leio de tudo um pouco. Livros de todos os gêneros, escritores de todas as nacionalidade, livros para todos os fins. Mas tenho uma certa predileção pela leitura de autores e livros clássicos, e desses, os meus favoritos são os escritores russos, especialmente Tolstoi, e o norte-americano John Steinbeck.

Quais são os seus livros prediletos?

Tenho milhões de livros prediletos, mas talvez os que mais me marcaram, da literatura clássica, foram Anna Kariênina e Senhor e Servo & Outras Histórias, de Tolstoi, Dom Quixote¸ de Cervantes, Lolita,de Nabokov, Ratos e Homens, As Vinhas da Ira e A Pérola, de John Steinbeck, Ensaio Sobre a Cegueira, de Saramago, e das literaturas mais contemporâneas, digamos assim, adoro os Palácio de Inverno, Um Hotel na esquina do tempo, O Pacto, Pequena Abelha, A Catedral do Mar, A Sombra do Vento, A Cicatriz de David, Uma Esposa Confiável, etc, etc e etc.

Você tem alguma influência musical na hora de confeccionar os livros?

Adoro Engenheiros do Hawaii, mas, de maneira geral, a música vai muito de acordo com o meu estado de espírito e com o tipo de história que estou escrevendo. Ora posso estar escutando uma música clássica, para cinco minutos depois colocar um CD de metal; ora escuto uma música lenta, mais suave, para em seguida colocar para tocar algo bem melancólico.

Quais são seus projetos futuros?

Continuo, sempre, escrevendo. Escrevo e publico semanalmente crônicas em meu blog (http://lugardaspalavras.blogspot.com), continuo escrevendo meus contos e minhas novelas. Hoje não estou trabalhando em nenhum romance, não, por falta de tempo. O trabalho na livraria das 9 da manhã às 5 da tarde, e o da universidade, das 7 às 10 da noite, acabou tomando um pouco o tempo que eu dedicava à produção literária.
Estou, também, dando os meus primeiros passos visando um projeto de futuro, não como escritor, mas como futuro professor de literatura. Comecei a cursar esse semestre Letras (minha segunda faculdade – sou formado em história), e pretendo seguir uma carreira acadêmica, fazendo mestrado e doutorado, justamente para ser professor de literatura em universidades.

Deixe um recado para os seguidores do Nessa News.

Se você é escritor, aconselho a não desistir, nunca, de seu sonho. É difícil, sim, bate um desânimo, é verdade, mas vale, e muito, a pena. Continue, sempre, escrevendo, melhorando sua técnica, criando uma identidade cada vez mais própria, e saiba, sempre, escutar conselhos, opiniões e críticas sinceras.
Se você, que visita o blog, é leitor, procure ler cada vez mais. Leia livros de vários gêneros, de vários estilos, de vários escritores, de várias nacionalidades e escolas literárias. A literatura é muito vasta e tem a nos oferecer inúmeros universos, e por isso não há qualquer motivo para se ficar limitado a apenas um mundo. Dê chances a novos autores, dos quais poucas pessoas falam, pois há inúmeros livros que, apesar de não comentados, de não tão badalados como os famosos Best-sellers, são capazes de nos surpreender enormemente.






8 comentários:

  1. Hey, Nessa!

    Um autor que eu não conhecia.
    Fiquei curiosa sobre espelhos Quebrados, quero ler quando tiver a oportunidade.
    O bom das entrevistas é que a gente se sente mais perto do autor, né?

    Beijo grande e linda semana pra vc!

    ResponderExcluir
  2. Adorei a entrevista!
    Confesso que não conhecia as obras nem o autor, mas assim que conseguir irei ler os livros, pois parecem ser muito bons! :)

    Beijinhos, :*
    www.primeiro-livro.com

    ResponderExcluir
  3. Adoro ler entrevistas até por inspiração, pois sou colunista de dois blogs na sessão de entrevistas..achei muito legal a sua , parabéns! Bjinhos.

    ResponderExcluir
  4. Oi Nessa :)
    Ainda não conhecia o autor, mas adorei a entrevista.
    É sempre bom conhecermos um pouquinho mais dos autores.

    Beijos
    Amanda
    Amanda's World

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia o autor, mas pelo que ele escreveu seu livro parece ser muito bom mesmo! Parece ser algo muito romântico, que como ele disse, se torna real pelos fatos que a gente já passou... Gostei bastante da entrevista! Parabéns. Beijos,

    @minha_estante - Minha Estante

    ResponderExcluir
  6. Adorei essa entrevista, e o blog.
    http://lollyoliver.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  7. Adorei seu blog e a entrevista!
    http://lollyoliver.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  8. Ah, adorei a entrevista.
    Espelho Quebrado foi o primeiro livro de parceria que resenhei no meu blog :D E confesso, o Lima Neto é realmente muito simpático.

    Beijos&beijos
    Book is life

    ResponderExcluir