18/07/2015

Resenha: Middlesex - Jeffrey Eugenides

Título original: Middlesex
Gênero: Romance
Páginas: 576
Editora: Companhia das Letras
Classificação: 5/5
Comprar: Submarino
O livro Middlesex - romance vencedor do prêmio Pulitzer - do autor Jeffrey Eugenides, nos traz uma história original, polêmica e criativa sobre um hermafrodita do século XX. Escrito de forma contundente e norteado por um leve toque de ironia, o livro se mostrou uma verdadeira obra-prima, abordando não só a sexualidade e suas vertentes, como também alguns fatos históricos mundiais.

Calíope Stephanides foi criado como a menina Callie durante a sua infância, mas, ao completar seus catorze anos, decidiu se tornar o jovem Cal. Vivendo em Berlim - cidade que foi palco de vários conflitos durante décadas - ele revela sua trajetória e sua batalha interna para aceitar o próprio corpo e suas limitações.

Ao contar sua história, Cal nos revela os pormenores da trajetória de seus antepassados, nos mostrando como fatos do passado contribuíram para tudo aquilo que ele vivencia no presente. Durante o seu relato, ele nos fala sobre a invasão turca à Grécia, da fuga dos seus avós para Detroit, bem como sobre a expansão da Ford Motors e acontecimentos como a Lei Seca e a Depressão de 1929. A família Stephanides viveu em meio a esse panorama histórico e devido a laços consanguíneos, acabou semeando uma mutação genética por entre suas gerações.

Middlesex é uma obra tocante, bem escrita e, acima de tudo, original. Eugenides nos mostra uma sensibilidade surpreendente ao tecer sua trama, composta por uma densidade incrível e audaciosa. O enredo é atual, intenso e possui uma beleza peculiar, nos mostrando toda a ambiguidade que há por detrás do ser humano, bem como a diferença entre gêneros e até mesmo o incesto. Narrado em primeira pessoa por Cal, de uma forma objetiva e até mesmo palpável, o livro se mostrou uma obra memorável e impactante.

"Sou a oração subordinada de uma longa sentença que começa há muito tempo, em outra língua, e vocês precisarão lê-la desde o início para chegar ao fim, que é quando entro na história".

Cal não foi diagnosticado como hermafrodita quando nasceu. Isto porque o médico da família, já muito idoso, não se atentou como deveria ao sexo do bebê. Quando chega na puberdade, os seios de Callie não se desenvolvem e a sua menstruação não acontece, como seria normal para as meninas de sua idade. E, de certa forma, ela não consegue se sentir atraída pelos garotos, principalmente quando passa pela sua primeira experiência sexual. Durante um acidente, é constatada a ambiguidade de seu sexo. Seus pais querem uma doce e delicada menina, mas Cal resolve seguir seus instintos masculinos, pois é onde julga estar sua verdadeira identidade. Tal escolha acaba provocando uma certa ruptura familiar, fazendo com que o jovem siga para Berlim e busque sua independência, de maneiras nada fáceis.

"Emoções, pela minha experiência, não cabem numa única palavra. Não acredito em 'tristeza', 'alegria' ou 'remorso'. Talvez a maior prova de que a língua é patriarcal seja o fato de que simplifica abusivamente os sentimentos. Gostaria de ter à minha disposição palavras-comboio, tipo as do alemão, para emoções complicadas e híbridas, como, digamos, 'a felicidade que vem com a tragédia'. Ou: 'a decepção de ir para a cama com uma fantasia'. Gostaria de mostrar a ligação que há entre 'as emanações da mortalidade trazidas pelo envelhecimento de familiares' e 'o ódio a espelhos que começa na meia-idade'. Gostaria de ter uma palavra para 'a tristeza inspirada por restaurantes à beira da falência', assim como para 'a empolgação de entrar num quarto com frigobar'. Nunca achei as palavras certas para descrever minha vida, e agora, quando começo a contar minha própria história, preciso delas mais do que nunca."

A trajetória dos antepassados de Cal é a válvula propulsora do enredo. Através de suas jornadas, descobertas e escolhas é que a trama é tecida. Seus pais eram primos que se apaixonaram e tiveram dois filhos, mas, antes deles, uma outra história de amor se mostrou ainda mais arrebatadora e polêmica, vivida pela sua avó, Desdêmona, uma das personagens mais intrigantes do livro.

Em síntese, Middlesex é um livro original, polêmico e atual, com uma história que, à primeira vista, parece tratar-se de um drama mas que acaba se mostrando um romance denso, levemente irônico e com uma conotação um tanto quanto poética. A narrativa de Eugenides foi construída com maestria e precisão, detalhes estes que salientam porque o autor é conhecido como um dos maiores símbolos cult da literatura. A capa sintetiza bem a essência do enredo, tendo como ilustração a estátua de Afrodite e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo ☺

19 comentários:

  1. Oi, Nessa!
    Não conhecia essa obra. A premissa é bem interessante, ainda mais por conter fatos historicos.
    Nunca li nada relacionado a hermafroditas, confesso que fiquei bem curiosa.
    Beijos

    www.construindoestante.com || Curta a fanpage

    ResponderExcluir
  2. nossa Nessa é bem diferente de tudo, ao mesmo tempo em que deve ser uma boa leitura, também deve ser inquietante
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi, Amiga!
    Já quero esse livro! Parece ser ótimo. Fiquei bastante intrigado com toda a trama e a premissa me deixou mega interessado. Acredito que irei curtir bastante a leitura assim como você.
    Parabéns pela resenha!
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi, nessa linda! Tudo bem?

    Nossa, curti a resenha, hein? Acho que já ouvi falar desse livro por aí, mas é a primeira vez que leio uma opinião a respeito. Adorei! De fato, parece ser bastante original e interessante. Gostei!

    Um beijo,
    Doce Sabor dos Livros docesabordoslivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Nunca ouvi falar antes, mas parece ser muito bom!! Um pouco diferente do que estamos acostumados a ver por aí. Ótima resenha!!!!

    http://exploradoradelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Nessa!
    Ahhh não sei se leria esse livro...
    Bjks!
    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
  7. Nossa, se hoje, mesmo com toda o incentivo já é difícil lidar com o problema, imagina naquela época... Deve ser mesmo um livro muito sensível e eu gosto de tramas assim, leria com certeza.

    Beijo, Vanessa Meiser - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Não tinha visto falar desse livro antes, mas parece ser um livro bem legal...

    ♥ Beijoooox,
    Delicada e Abusada

    ResponderExcluir
  9. Ainda não tinha ouvido falar sobre esse livro, mas de certo ele tem bastante conteúdo pra acrescentar em nosso conhecimento, principalmente pelo lado dos assuntos polêmicos que aborda. Fiquei interessada!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem post novo sobre séries no blog, vem ver!

    ResponderExcluir
  10. Oi, Nessa!

    Para quem gosta do tema, o livro é bem interessante, e a capa é bem diferente!
    Beijos

    Elidiane
    Leitura Entre Amigas

    ResponderExcluir
  11. Oi Nessa,
    Achei a premissa interessante e meio polêmica.
    Vi a capa e pensei outra coisa, sua resenha super me animou
    Fiquei bem curiosa!

    bjs
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  12. Oi Vanessa,
    Sempre ouço mtos elogios a esse autor, em especial ao livro As Virgens Suicidas.
    Acho que o tema é polemico e nao seria qualquer autor que teria capacidade e coragem para abordá-lo.
    O que mais me chamou atenção é justamente não ser um drama, mas um romance, na sua opniao.
    Abraço,
    Alê
    www.alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Oi Nessa!
    Esse é o único livro que eu ainda não li do Eugenides. Li os outros dois e gostei muito ("As Virgens Suicidas" é inesquecível).
    Acho a premissa de "Middlesex" bem interessante, mas li a prova no site da editora e não me empolgou. Mas quem sabe um dia eu dê uma nova chance?
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Oie Nessa,
    não conhecia o livro e pela capa imaginei outra história rs
    Parece ser algo bem polêmico, daqueles que ou você ama ou odeia rs

    bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  15. Oi Vanessa!
    Nunca li nada com essa temática, mas parece mesmo um livro original e com uma proposta importante, já que fala de identidade. Gostei da resenha!
    Beijos,

    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
  16. Oie Nessa =)

    Não conhecia o livro, mas só pelos pontos que você destacou em sua resenha, já percebi que é uma leitura bem interessante.
    Dica mais que anotada!

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  17. OI Nessa ♥
    Eu não conhecia o livro, a leitura parece ser diferente de tudo o que eu já li. A primeira vista diria que eu não leria o livro, mas quem sabe num futuro.
    Milhoes de Beijos!

    Marina Lima.
    Meu Doce Apartamento | Literatura, Culinária, Caseirices & muito amor♥

    ResponderExcluir
  18. Oi, Vanessa
    Admito que nunca tinha ouvido falar desse livro, mas a tematica também não me chamou atenção, mas como você diz que o autor fez algo original, vou ver se leio, as vezes é bom se arriscar em algo diferente,né?
    Bjs
    http://www.leituraseloucuras.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Olá Nessa,

    Esse é mais um livro que fico conhecendo aqui no seu blog, parece realmente interessante, sua resenha mostra bem isso, parabéns....abraço.

    www.devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir