24/10/2015

Resenha: Eu Te Darei o Sol - Jandy Nelson

Título original: I'll give you the sun
Gênero: Romance/Young Adult
Páginas: 384
Editora: Novo Conceito
Classificação: 5/5
Comprar: Submarino
O livro Eu Te Darei o Sol, da inglesa Jandy Nelson, nos traz um romance pungente e tocante sobre dois irmãos gêmeos e todos os seus traumas e dilemas. Tecido com profundidade e dando bastante ênfase as personalidades de seus protagonistas, o enredo conseguiu me conquistar logo de início e se mostrou uma leitura emocionante e envolvente.

Jude e Noah, tais como muitos irmãos, possuem fortes espíritos de concorrência. Eles competem pela atenção dos pais, bem como por Brian - o novo vizinho deles - e também por uma vaga na mais conceituada escola de artes da Califórnia. Ambos nutrem diversos sentimentos entre si, desde o ciúmes estarrecedor até mesmo o amor explosivo e uma perda dilacerante acaba separando os gêmeos definitivamente.


Por mais que convivam no mesmo espaço, Noah e Jude trilham caminhos distintos e lutam contra seus dilemas internos. Ela busca se aperfeiçoar no mundo das artes e necessita de um perdão que irá mudar sua vida para melhor; ele ainda precisa lidar com sua homossexualidade assumida e almejar o caminho da felicidade. A história dos dois é desconcertante e intensa e, acima de tudo, nos revela que as pessoas que mais amamos neste mundo são as que mais conseguem nos ferir.

"Porque todos nós estamos quebrados. Quero dizer, não estamos? Eu estou. O mundo inteiro está. Tentamos fazer o nosso melhor e é isso o que acontece, repetidamente."

Eu Te Darei o Sol se mostrou uma obra profunda e intensa e, apesar de ficcional, conseguiu retratar vários dilemas da época moderna em suas entrelinhas. Não é segredo para ninguém que nenhuma família vive o tempo todo feliz e sorridente tal como naquelas propagandas de margarina e possuem em seu seio tanto momentos dolorosos quanto de pura alegria. Irmãos vivem se engalfinhando tal como cão e gato, mas não deixam de se preocupar e torcer pela felicidade um do outro. Jude e Noah se amam mais do que a própria vida, mas sempre competiram entre si, o que é algo considerado até mesmo saudável desde que não ultrapasse dos limites. Porém, quando a garota descobre que o irmão está apaixonado pelo rapaz que ela ama, a jovem acaba armando uma arapuca para separá-lo do sonho de ser um grande artista e as coisas entre os dois passam a desmoronar, principalmente quando uma tragédia ocorre na família e, de certa forna, os dois se sentem meio que culpados pelo ocorrido. Narrado em primeira pessoa pelo Noah de 13 anos que relata o passado dos dois e pela Jude de 16 anos que nos conta com uma minúcia de detalhes o presente deles, o livro nos traz uma história intensa, visceral e acima de tudo, dotada de esperança, redenção e amor.

"O amor é apenas a metade da história."

Jude sempre foi uma garota popular e cercada pelos rapazes, mas que nunca conseguiu ser tão próxima da mãe quanto gostaria. Para ela, a matriarca só tinha olhos para o filho, a quem admirava pelo talento nato pela arte, sobretudo pela pintura. Devido a isso, a garota acabou se apegando bastante a avó e também ao pai. Após ter uma experiência nada agradável no campo amoroso, a vida de Jude passa a mudar. Ela sente falta de se abrir com alguém, de receber conselhos que a esclareçam e sobretudo, que a consolem e não consegue ter essa cumplicidade com a mãe. Devido a isso, o seu ciúmes de Noah começa a se acentuar ainda mais e quando ela descobre que ele está apaixonado pelo garoto pelo qual ela está a fim, Brian, sua raiva fica desconcertante e ela acaba elaborando uma estratégia para prejudicar Noah. A julgar pelas características citadas, eu teria todos os motivos do mundo para julgar Jude egoísta e mesquinha, mas confesso que não foram estes tipos de sentimentos que nutri pela moça. Não que eu a apoie em muitas das atitudes tomadas, mas consegui compreendê-la e torci bastante para que ela realmente alcançasse o perdão almejado para sua vida. Gostei muito do seu romance com Oscar, um rapaz charmoso e enigmático no melhor estilo James Dean e vibrei bastante com a redenção da jovem.

Noah, por sua vez, descobriu cedo demais a sua atração pelo mesmo sexo. Por ser um garoto introvertido e muito emotivo, sempre foi alvo de bullying no colégio e muitas vezes era defendido por Jude. A mãe, ao perceber que o filho era um pouco mais sensível e frágil em vista da irmã, acabou lhe dedicando uma atenção especial, o que acabou despertando o ciúme de Jude. Os dois irmãos nasceram artistas, mas Noah conseguiu se destacar um pouco mais, até mesmo pelo apoio materno que sempre recebeu. Gostei muito de Noah e de sua coragem e determinação em levantar uma bandeira tão pesada ainda em tenra idade. Não que seja certo dosar a carga dramática da trama, visto que os dois irmãos foram completamente dilacerados pela vida, mas acredito que Noah tenha sido o mais prejudicado da história. Ele foi afastado do seu grande sonho, perdeu alguém a quem amava muito, além de ter que lidar com um grande tabu e com o forte sentimento de culpa. Seus sentimentos foram quase que palpáveis no enredo e fiquei o tempo todo torcendo para que ele conseguisse juntar todos os seus caquinhos e tivesse a felicidade que sempre mereceu.

Em suma, Eu Te Darei o Sol se mostrou uma leitura espetacular, sensível, pungente e incrivelmente arrebatadora. Seus personagens foram muito bem delineados dentro da trama, revelando todas os seus defeitos, qualidades e sentimentos, o que tornou o livro ainda mais intenso e profundo. A capa é simples e singular e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo, com certeza!

Confira o booktrailer de Eu Te Darei o Sol:



9 comentários:

  1. Oi Nessa!
    Esse livro é muito bonito mesmo, mas ainda prefiro o anterior publicado pela editora, rs.
    Bjks!
    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
  2. Já ouvi muita coisa boa a respeito desse livro. E não é de se admirar já que o autor é maravilhoso!

    exploradoradelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oiee
    Eu achei este livro meio forte, gostei da trama, mas o primeiro livro da autora era um tanto mais leve. Este possui uma carga emocional um pouco mais carregada, ainda assim foi uma ótima leitura!

    Beijo, Vanessa Meiser - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. achei a história inteira singela, delicada, tratando de diversos temas atuais com extrema delicadeza, falando de sentimentos que são tão reais que parece que a história ganha mais vida!
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Vanessa!
    Já vi muitos elogios para esse livro e sempre me surpreendendo ao ver os leitores dizerem que ele é tão intenso. A capa e a sinopse não transmitem isso.
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oie Nessa =)

    Essa foi uma das leituras que mais me surpreenderam esse ano. No começo estava achando que era muito barulho para pouco coisa, mas conforme fui lendo acabei me encantando pela história e por seus personagens. É um lindo livro <3!
    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary



    ResponderExcluir
  7. Oi,
    Confesso que não dava nada por esse livro, mas depois da sua resenha fiquei mega curiosa!
    Ahh te indiquei na tag ->http://www.fadasliterarias.com.br/2015/10/hall-of-shame-literario-tag.html
    Bjs!
    Fadas Literárias

    ResponderExcluir
  8. Oi...

    Eu não dava nada pelo livro, mas a blogosfera me convenceu que esse livro é bom. Resolvi da uma chance. Adorei sua resenha!

    Beijos!

    Cintia
    http://theniceage.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá Nessa,

    Só leio resenhas positivas desse livro e até coloquei na minha lista de desejados, só falta o money agora...kk...abraço.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir