08/11/2015

Resenha: Encruzilhada - Kasie West

Título original: Pivot Point
Gênero: Romance/Distopia
Páginas: 304
Editora: Seguinte
Classificação: 4/5
Comprar: Submarino
O livro Encruzilhada, de Kasie West, nos traz um romance distópico interessante, onde se é possível visualizar o futuro e escolher entre duas alternativas distintas. Apesar da temática ser bem original, achei que a trama acabou envergando mais para o lado juvenil do que para a própria distopia em si. Os dilemas enfrentados pelos personagens, bem como suas desenvolturas dentro da história, acabaram soando como os dos típicos romances adolescentes.

A vida de Addison Coleman é uma verdadeira incógnita graças ao seu dom especial de Investigar Destinos. Toda a vez que a jovem precisa tomar uma decisão, ela possui a a capacidade de vislumbrar duas possibilidades diferentes de seu futuro.

Quando os seus pais anunciam a separação, Addie terá que escolher com qual dos dois irá morar: com o pai, entre os Normais, onde poderá ter um pouco mais de paz e tranquilidade  ou se deve ficar com a mãe no Complexo Paranormal, onde a jovem já vive. Indecisa e sem ter certeza do que a espera, a garota resolve investigar seu destino.

Em uma das alternativas, ela conhece Trevor, um Normal sensível com quem ela acaba tendo uma intensa conexão. Na outra, acaba se envolvendo com Duke, o garoto mais popular da Escola Paranormal. Por mais que os dois destinos tenham os seus contrastes entre si, ambos podem causar muito estrago e sofrimento. Resta a Addie escolher em qual das duas plataformas ela deseja viver...

"Porque uma ilusão não passa de uma ilusão. A realidade sempre existe, não importa a fachada."

Encruzilhada nos traz uma distopia interessante, onde uma determinada sociedade vive em um Complexo Paranormal e possui dons específicos entre si. Enquanto Addie pode Investigar Destinos, sua melhor amiga, Laila, tem o poder de Apagar Lembranças. A mãe da jovem tem o dom da Persuasão e o pai é um Discernidor ou, como a própria jovem intitula, é um verdadeiro detector de mentiras. Quando os progenitores resolvem se divorciar, Addie terá que decidir de qual forma terá que viver. Ao contrário de algumas distopias, aqui os paranormais vivem em um complexo isolado e muitos seres humanos "normais" povoam a terra como se nada de especial estivesse acontecendo. Achei a temática de Kasie West bastante original, mas confesso que esperava um pouco mais de ação e adrenalina do enredo. Em boa parte da história, me senti em uma verdadeira trama juvenil, com todos os seus dilemas e pesares e isso acabou não me agradando. Os personagens também não foram tão desenvolvidos quanto eu esperava e acabaram não tendo o destaque merecido dentro do livro. Narrado em primeira pessoa por Addie, intercalando suas pré-experiências ao lado da mãe e do pai, o livro possui os seus atrativos, mas poderia ter sido um pouco mais lapidado pela autora.

Addie é uma adolescente como outra qualquer e como todos os jovens, se mostra uma garota bem indecisa, principalmente por conta de seu dom extrassensorial. Presenciar a separação dos pais e ver o seu lar se dissolvendo não é fácil, mas confesso que a personagem acabou sendo muito imatura em alguns momentos e até mesmo egoísta e incompreensível. Dentre as suas qualidades, pode-se destacar o intenso elo de amizade que ela nutre por Laila e o seu forte senso de justiça. Achei o seu romance com Duke muito forçado, mas curti demais o seu envolvimento com Trevor, que se mostrou um garoto especial, além de ter um coração de ouro.

"Às vezes sinto que estou flutuando lentamente para longe. Estou sempre procurando algo em que me agarrar para não me perder."

Duke é o típico garoto popular do colégio, rodeado de garotas e que tem o ego lá em cima, inflado como um balão. Além destas características - que eu particularmente desprezo - tudo nele parece ser forçado e artificial, o que impossibilitou a minha conexão com o personagem. Já o Trevor se destaca pela sua simplicidade e personalidade. Ele tem um jeito todo especial de ser, além de ser extremamente doce, gentil e prestativo.

Em síntese, Encruzilhada possui um enredo interessante e original, mas que infelizmente não foi trabalhado com todo o potencial que deveria. Mesmo tendo fortes atrativos e qualidades, a trama de Kasie West acabou soando juvenil demais, ao invés de dar ênfase para a veia underground das demais distopias. Os personagens tem lá as suas virtudes, mas poderiam ter sido mais multifacetados e enérgicos, o que acabou não acontecendo. A capa é muito bonita e possui um leve efeito aveludado e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Apesar das ressalvas, não deixo de recomendar.

14 comentários:

  1. Oi Nessa,
    A distopia parece ser bacana, apesar de suas ressalvas.
    Quero ser amiga dessas meninas hahahaha precisando de alguém pra dar uma investigada básica no meu destino -q e apagar umas coisas também =x

    Espero ler em breve. Fiquei curiosa sobre o destino da Addie.

    tenha uma ótima semana.
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  2. Oie,
    já ouvi falar deste livro, parece ser bem interessante, já esta na minha lista de desejados, agora é conseguir o livro para ler rsrsrs

    bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oie Nessa =)

    Senti exatamente isso quando li esse livro. A história tinha um potencial enorme, inclusive para ser concluída em um único livro. Mas infelizmente a autora se perdeu um pouco.
    Eu gostei, mas infelizmente ficou faltando aquele algo a mais.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  4. oi flor, ainda não embarquei nesse mundo de distopias, não sei se vou curtir, mas uma oportunidade sei que darei em breve
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Nessa
    Confesso que eu ando meio longe dos distópicos ultimamente, mas ainda sim tenho curiosidade por este livro.

    Beijos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Nessa!
    Sou fã de distopias e, como não conhecia essa, fiquei bastante curiosa. A estória parece ser bem original, uma pena que não tenha sido bem desenvolvida. Alguma chance de virar série?

    Beijos,
    Epílogos e Finais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bianca. Obrigada pelo carinho de sempre! Na verdade, Encruzilhada é uma duologia, mas ainda não se têm previsão do lançamento do segundo livro. Beijo!

      Excluir
  7. Quando eu vi a resenha eu adorei. E mesmo com essas suas considerações, eu fiquei curiosa para ler. Adorei sua resenha.

    Beijos.
    Blog Não Vivo Sem Livros

    ResponderExcluir
  8. Oi Nessa!
    Ah que pena que não gostou totalmente do livro... no começo, eu imaginei que a história não iria me conquistar. Mas quando percebi não consegui mais parar \p/
    Bjks!
    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi Vanessa! Tudo bem?
    Achei a trama super diferente e interessante, mas me decepcionei um pouco quando você comenta que a autora não explora isso, mas sim os dramas adolescentes (que tantos outros livros já abordam). :(
    Beijos,

    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
  10. Já tinha ouvido falar brevemente. Essa coisa de destino sempre balança um pouco a gente. Gostei da sua resenha! ;*

    exploradoradelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Apesar de não ter alcançado todo o seu potencial, a premissa distópica me interessou. Acho que daria uma chance ao livro.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do top comentarista de novembro. Você pode ganhar um livro incrível!

    ResponderExcluir
  12. Eu quase não leio distopias, de repente a chance é esta! Obrigada pela dica Nessa!!!

    Beijo, Vanessa Meiser - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir