02/11/2015

Resenha: Fragmentados - Neal Shusterman

Título original: Unwind
Gênero: Distopia
Páginas: 320
Editora: Novo Conceito
Classificação: 5/5
Comprar: Submarino
O livro Fragmentados, de Neal Shusterman, nos traz uma distopia original e muito bem arquitetada, mostrando todo o sentido da vida e de se "estar vivo". Confesso que iniciei a leitura um pouco temerosa, visto que este é um gênero do qual não aprecio muito e felizmente foi surpreendida pelo enredo, bem como pelo seu desenvolvimento. Com personagens fortes, heterogêneos entre si e firmes em seus propósitos, a trama de Shusterman é eletrizante, bem escrita e, acima de tudo, impactante.

Durante a Segunda Guerra Civil, na qual dois grupos distintos lutavam um contra e o outro a favor do aborto, foi criada "A Lei da Vida", que satisfez ambos os exércitos. Tal lei declara que vida humana não pode ser tocada desde o momento da concepção até que a criança chegue aos 13 anos de idade. Dos 13 aos 18 anos, os pais podem decidir ou não a "abortar" o filho retroativamente, contato que a vida deste não tenha fim. Os corpos destas crianças são reduzidos em membros e outros pedaços e vendidos para pessoas com partes amputadas, órgãos degenerados, dentre outras doenças em um processo intitulado de "Fragmentação", uma prática comum e aceita por toda a sociedade.

Unidos pelo acaso e pelo desespero, três jovens - Connor, Risa e Lev -  lutam contra o sistema para não terem suas vidas fragmentadas. Esses improváveis companheiros fazem uma viagem alucinante pelo país, tentando sobreviver até completarem 18 anos, idade esta em que estarão livres da "Fragmentação". Enquanto isso, cada parte deles - das mãos até o coração - estão sendo implacavelmente caçados por um Sistema ensandecido e sanguinário.

"Em um mundo perfeito, tudo seria preto ou branco, certo ou errado, e todos saberiam a diferença. Mas este não é um mundo perfeito. O problema são as pessoas que pensam que sim."

Fragmentados foi um livro que me surpreendeu positivamente, além de se mostrar uma leitura eletrizante e bem estruturada. Como disse no começo da resenha, este não é o tipo de gênero que habitualmente costumo a ler, mas ao ver tantos elogios referentes à obra no exterior, fiquei curiosa e graças aos bons deuses tive uma experiência maravilhosa com o enredo de Neal Shusterman. A escrita do autor é crua e visceral e nos apresenta uma sociedade implacável e sanguinária que decide brincar de Deus e escolher quem vive e quem morre baseando-se em seus próprios conceitos. A princípio, senti que o enredo me lembrou um pouco o do filme Não Me Abandone Jamais, adaptado da obra homônima de Haruki Murakami, mas com o decorrer da leitura, notei que as histórias não eram tão semelhantes quanto eu imaginava, apesar de terem um cerne parecido. Shusterman consegue nos envolver em sua trama de um modo alucinante e nos mostra que entre os fragmentados, mesmo com todas as suas brigas e dissoluções, não existem vilões ou meros culpados; todos são vítimas da sociedade. Narrado em terceira pessoa, sob os pontos de vista alternados dos três principais personagens da história - Connor, Risa e Lev - o livro nos mostra a importância e a não importância da vida e a luta voraz pela sobrevivência.

Os personagens são bem distintos entre si, apesar de lutarem pela mesma causa. Connor é um garoto rebelde e problemático, que sempre causou transtorno aos pais. Quando ele completa 16 anos, sua família resolve assinar o acordo de fragmentação. Risa é uma garota órfã, que foi criada pelo governo e sempre se destacou por ser uma pianista talentosa e uma menina dócil e gentil. Porém, tais características não a diferenciam no meio de tantos jovens e ela acaba sendo mandada para a fragmentação, com a desculpa de "corte de verbas". Ao contrário de Connor e Risa, Lev foi criado para ser um dízimo - um tributo voluntário para a fragmentação - já que a religião dele e de sua família acredita que o garoto deva ser devolvido a Deus para servir a um propósito maior. Lev foi um dos personagens mais complexos da trama, visto que tenta a todo custo cumprir a missão que lhe foi atribuída, mesmo sendo salvo por Connor. Por mais que as atitudes dele irritem durante boa parte da trama, são compreensíveis partindo do pressuposto de que o garoto passou por uma lavagem cerebral desde criança afim de doar seus órgãos e vitalidade por uma causa.

"Só porque a lei diz, não faz com que seja verdade."

Em suma, Fragmentados nos traz uma história intensa e dolorosamente reflexiva, onde o homem brinca de Deus e manipula os seus iguais como mercadorias, produtos. Onde pais decidem abortar seus filhos retroativamente, tal como se estivessem em um talk show e suas respostas culminassem em prêmios e bonificações. Onde seres humanos destinados a morte lutam pela vida, tal como um rato tenta desviar da mira certeira de uma cobra. A capa é simples e nos traz a ilustração de um espectro e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo ☺

Confira o teaser de Fragmentados:



12 comentários:

  1. Oi,
    Só leio resenhas positivas sobre esse livro, cada hr fico mais curiosa!
    Bjs!
    Fadas Literárias

    ResponderExcluir
  2. Oie Nessa =)

    Confesso que a principio esse livro não tinha me chamado muito a atenção, mas depois de ler algumas resenhas positivas como a sua ele vem despertando a minha curiosidade. Se tiver a oportunidade de ler ele, vou dar uma chance sim ^^

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  3. Oi Nessa, tudo bem? Eu fiquei interessada neste livro assim que vi seu lançamento, então imagina minha vontade de ler, ainda mais agora que as resenhas estão saindo.
    Eu imaginei mesmo que a leitura seria intensa e reflexiva.
    Bjs, rose.

    ResponderExcluir
  4. desde o lançamento e a divulgação esse livro me arrepia, acho o enredo muito assustador e apreensivo

    felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi Nessa, eu não solicitei este livro quando ele esteve disponível por não ser muito fã de distopias mas, depois de começarem a pipocar as resenhas apaixonadas acabei me arrependendo de não ter dado uma chance a ele...

    Beijo, Vanessa Meiser - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi, amiga! Tudo bem contigo?

    Cara, gostei muito da sua resenha. Esse é um dos livros que está na minha listinha de possíveis compras futuras, especialmente por fazer um bom tempo que não dou "bisbilhotada" em histórias do gênero. Creio que vá gostar dessa assim como você!

    Um beijo,
    Doce Sabor dos Livros docesabordoslivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Nessa,

    Adorei sua resenha. Eu não dava nada pelo livro, mas ele é o queridinho da blogosfera. Uma pena ser da NC ele lançam vários livros aleatórios e nada de continuar as séries em aberto. Não tem coisa pior do que ficar sem conclusão.

    Beijos!

    P.S: Houve algumas mudanças no meu blog, mudei nome, mudei a aparência… Tô numa fase de mudanças. The Nice Age agora é Devaneios de um Cindy, tornei algo mais pessoal. Vou fazer um post explicando tudinho, mas por enquanto tô na correria, ajeita aqui e ali.
    Cintia
    http://www.devaneiosdeumacindy.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Nessa, sua linda, tudo bem
    Nossa!!!!!! Estou sem fôlego depois dessa resenha, arrasou!!!!! Eu fiquei toda arrepiada desde a primeira vez que vi o vídeo desse livro. É no mínimo revoltante!!!!! Eu fiquei muito impressionada com tudo o que disse, mas uma parte da sua resenha, me deixou bem curiosa: você disse que não há vilões e meros culpados, são todos vítimas. Não sei o contexto, o mistério, as revelações que serão feitas, mas por enquanto, sem ler o livro, não consigo imaginá-los como vítimas. O que fizeram é um monstruosidade. Não vejo a hora de ler.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi Nessa,
    tenho este livro em casa, mas confesso que não estou tão curiosa para lê-lo, as resenhas são boas, mas alguma coisa não me chama atenção.

    bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi Nessa
    Este livro tem um tema bem interessante, ja li diversas resenhas sobre ele e fico na dúvida se o leio.
    Gostei da sua resenha.

    bj

    ResponderExcluir
  11. Eu preciso urgentemente ler esse livro, a cada nova resenha dele fico com mais vontade de realizar a leitura;

    Beijos
    http://intoxicadosporlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi Nessa,
    Diferente de você gosto muito de livros com esse gênero que nos fazem repensar algumas coisas. Tenho muita curiosidade em ler esse livro acho que curtiria bastante, a minha mãe ficou responsável por resenhar ele, mas assim que possível também quero ler para tirar minhas conclusões.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com

    ResponderExcluir