05/11/2015

Resenha: A Rainha Vermelha - Victoria Aveyard

Título original: Red Queen
Gênero: Distopia
Páginas: 422
Editora: Seguinte
Classificação: 5/5
Comprar: Saraiva
O livro A Rainha Vermelha, de Victoria Aveyard, nos traz uma excelente distopia, repleta de conspirações, batalhas e disputas pelo poder. Com personagens fortes, intrigantes e enigmáticos e um enredo permeado por adrenalina e emoção, a trama se mostrou surpreendente, além de ter me deixado completamente ávida por sua sequência.

Victoria Aveyard nos apresenta uma sociedade dividida pelo sangue: o vermelho e o prateado. Mare e sua família são vermelhos, ou seja, plebeus, humildes e destinados desde o berço a servir ao clã prateado, cujos poderes sobrenaturais os tornam praticamente deuses.

Mare comete pequenos furtos para ajudar a sua família e não nutre esperança alguma de abandonar o vilarejo miserável onde mora. Entretanto, por uma reviravolta do destino, ela acaba conseguindo um emprego no palácio real onde, diante do rei e de toda sua corte, descobre possuir um poder misterioso e avassalador, mesmo tendo o sangue vermelho.

Em meio as intrigas da aristocracia prateada, as atitudes da jovem desencadearão uma verdadeira onda de violência e fatalidade pelo reino, colocando príncipe contra príncipe e Mare contra seu próprio coração...

"Este mundo é tão perigoso quanto belo. Quem não é útil, quem comete erros, pode ser descartado."

A Rainha Vermelha nos traz uma distopia muito interessante e bem elaborada. Em meio a tantos livros do gênero, Victoria Aveyard conseguiu usar de sua originalidade e criar um enredo estupendo, onde nada é o que parece e onde devemos desconfiar de tudo e de todos. O pano de fundo do livro é extremamente underground e consegue retratar com riqueza de detalhes os contrastes presentes entre os vermelhos e os prateados e as dissoluções vividas pela sociedade. Em busca de riqueza e poder, o ser humano se corrompe e é capaz das mais terríveis atrocidades e mesmo se tratando de uma trama de ficção, a autora soube expor e trabalhar muito bem o tema em suas entrelinhas. Narrado em primeira pessoa por Mare, de forma bem coesa e por muitas vezes, quase que palpável, A Rainha Vermelha se mostrou uma distopia surpreendente, vivaz e intrincante.

Mare é uma personagem forte e guerreira. Ela faz de tudo pela sua família e luta com garras e dentes para proteger cada um deles. Destemida e batalhadora, por obra do destino ela acaba conseguindo um emprego no palácio real e por um pequeno acidente, acaba revelando seus poderes. Temendo a força da jovem e o impacto disso sobre a população - visto que ela é uma vermelha - o rei e a rainha resolvem instalá-la definitivamente na corte, onde podem observar seus dons avassaladores mais de perto. Mare quebra todos as regras e protocolos do reino e acaba arrumando amigos e inimigos. Entre o círculo dos que se afeiçoaram pela moça, estão os príncipes Cal e Maven.

"Você é a mudança controlada, do tipo em que as pessoas podem confiar. Você é a chama lenta que pode dissipar uma revolução com um punhado de discursos e sorrisos."

Dentre os príncipes, me afeiçoei mais pelo Cal. Mesmo tomando algumas atitudes precipitadas, fica visível sua retidão e senso de justiça. Maven me soou bonzinho demais, solícito demais e acabei achando o moço insosso, sem tempero. Gostei bastante também do Julian - tio do Cal - e seus ensinamentos e reflexões se mostraram extremamente úteis para Mare.

Em síntese, A Rainha Vermelha nos apresenta uma sociedade corruptível, cega pelo poder e ávida por opressão. Os prateados se intitulam deuses e não tem escrúpulos ou ao menos limites na busca por seus objetivos, passando por cima de quantas pessoas foram necessárias para isso. Através do pano de fundo da trama, a autora soube apresentar muito bem as diferenças sociais entre os vermelhos e os prateados e dar ênfase as revoluções, punições e, acima de tudo, as esperanças de um povo tão oprimido e hostilizado. Os personagens são fortes, heterogêneos entre si e nos revelam surpresas inimagináveis no decorrer na trama, tornando a história ainda mais atraente e intrigante. A capa possui um leve efeito metalizado e nos traz a ilustração de uma coroa coberta por sangue e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho, revisão de qualidade e ilustrações minimalistas no começo de cada capítulo. Recomendo ☺

9 comentários:

  1. A Rainha Vermelha é mais um livro que já está na minha lista de "Quero Ler" no Skoob rsrs! Parabéns pela resenha! Já to seguindo seu blog flor,o meu ta começando agora mas se puder me segue tb, bjus!

    (Bom Humor Não Sai de Moda)
    bomhumornaosaidemoda.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Nessa,
    estou com este livro em casa, mas cada resenha que leio vejo uma opinião diferente para ele rsrsrs

    bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Nessa
    Eu ganhei este livro num sorteio, li a primeira página e parei. Mas tenho muita curiosidade para ver como tudo se desenrola.
    Gostei muito da sua resenha.

    Beijos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/2015/11/tag-hall-of-shame-literario.html

    ResponderExcluir
  4. tenho lido muitas resenhas deste livro e confesso que inicialmente tinha uma outra visão dele que de cara me fez repudiá-lo... só que agora eu quero muito lê-lo, não só pelos seus elogios, mas também porque percebi que a trama tem um poder de evolução e conquista muito forte!
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi nessa,
    Sabe que esse livro me chama atenção. Por ser uma distopia acredito que iria gostar bastante dele, porém ainda não sei direito o que vou encontrar nesse história e tenho um pouco de receio disso. Enfim se puder quero ler também. Enfim queria te convidar a dar uma passadinha lá no blog também, pois hoje tem uma resenha especial feita pelo meu noivo de um livro nacional de fantasia. Te espero por lá.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Nessa!
    Adoro distopias e estou doida pra ler esse livro. Parece ser o estilo de distopia que eu gosto, além de ser diferente dos outros livros do gênero.

    Beijos,
    Epílogos e Finais

    ResponderExcluir
  7. Oi Nessa!
    Esse livro é muito bom! Não vejo a hora de ler o segundo volume, torcendo para que seja logo publicado, rs. Ainda não conferir o conto publicado apenas para não ficar com mais vontade ainda rs
    Bjks!
    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
  8. Humm, tá aí um daqueles livros que tenho vergonha de não ter lido ainda...tá difícil acompanhar os lançamentos...hehe.

    Beijo, Vanessa Meiser - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá Nessa,

    Até hoje eu não conhecia muito bem essa série, mas lendo a resenha de Espada de Vidro me despertou um enorme interesse e vergonha por não saber nada dela, já está na minha lista de desejados.

    Abraço.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir