10/01/2016

Resenha: Meia-Noite em Bhopal - Dominique Lapierre e Javier Moro

Título original: Era medianoche en Bhopal
Gênero: Romance espanhol
Páginas: 360
Editora: Planeta
Classificação: 5/5
Comprar: Submarino
O livro Meia-Noite em Bhopal, dos autores Dominique Lapierre e Javier Moro, nos narra a maior catástrofe industrial da história, ocorrida na década de 80 na Índia. Escrita de forma detalhada, contando o antes e o depois da instalação da Union Carbide no coração de Bhopal e criando um forte laço de afeto com seus personagens, a trama de Lapierre e Moro consegue nos comover e detalhar com precisão os pormenores desta tragédia, que mesmo trinta anos depois, ainda traz consequências nocivas para o povo indiano.

Inúmeras pragas assolam o solo indiano, acabando com as plantações e culminando ainda mais na pobreza e precariedade de seu povo. Uma indústria química até então inocente decide se instalar neste país de terceiro mundo e lhes apresenta o Sevin, um potente pesticida que fulmina as pragas e contribui com o prestígio da empresa. Além de acabar com um dos males que aflige o povo de Bhopal, a Union Carbide emprega vários funcionários indianos, se mostrando uma verdadeira mina de ouro para a população.

Porém, a Union Carbide não tomou todas as medidas de segurança cabíveis, mesmo com as advertências de vários engenheiros do ramo, a morte de um funcionário e até mesmo as denúncias de um voraz jornalista. Pequenos vazamentos de gases começaram a ocorrer na empresa, mas não foram levados a sério até que em 3 de dezembro de 1984, uma nuvem de gás tóxico de grandes proporções escapa da fábrica, matando 30 mil pessoas e deixando quinhentas feridas gravemente.

Meia-Noite em Bhopal nos narra a maior tragédia industrial da história, que ceifou milhares de vidas e até hoje assola o povo indiano com os seus efeitos devastadores. Mesmo depois de mais de três décadas, muitas mulheres ficaram estéreis devido ao efeito químico do isocianato de metila e muitos fetos nascem deformados. Diversos tipos de câncer assolam a população e os sobreviventes da catástrofe apresentam problemas de respiração, lesões no pulmão e cegueira degenerativa. Narrado em terceira pessoa, de forma bastante descritiva e contundente, o livro de Dominique Lapierre e Javier Moro nos revela essa tragédia até então pouco conhecida de modo comovente e visceral.

A trama conta com vários personagens que, em sua grande maioria, são reais e os que mais me impressionaram foram Padmini, Dilip e irmã Felicity. Conhecer a maneira como a tragédia afetou suas vidas foi muito comovente e ao final do livro temos um capítulo que descreve qual foi o rumo de cada um deles, porém senti falta de conhecer um pouquinho mais sobre o que foi feito de Padmini e seu esposo. Confesso que eu não conhecia a tragédia de Bhopal e nem imaginava o quanto ela foi mortífera e devastadora para o povo indiano e o livro, apesar de forte, se mostrou uma leitura bastante edificante. Ao longo da leitura, fui buscando artigos na internet que envolvessem o tema e fiquei chocada. Me deparei com imagens extremamente tristes e cruéis das vítimas de Bhopal que dilaceraram meu coração e o mais triste de tudo é que ninguém foi responsabilizado pela catástrofe, nem mesmo o presidente da empresa na época, Warren Anderson, que se aposentou em 1986 e conseguiu escapar de quatro extradições. A Union Carbide é hoje a multinacional química Dow Chemical, que não pagou indenização a nenhuma de suas vítimas. Vale ressaltar também que a empresa se negou até o fim a divulgar quais foram os compostos químicos que vazaram na noite de 3 de dezembro, o que impossibilitou achar um antídoto que curasse ou ao menos aliviasse as vítimas. Só depois de muito tempo é que foi divulgada a presença do isocianato de metila, um composto químico tão poderoso, que até então ninguém tinha se arriscado a produzir.

Em síntese, Meia-Noite em Bhopal é o retrato de uma tragédia que foi fomentada pela ambição humana e que priorizou o lucro ao invés da segurança. Acima de tudo, é um afresco de fé, esperança, amor e heroísmo. Muitos médicos morreram envenenados fazendo respiração boca a boca nas vítimas dos gases tóxicos, mas não se recusaram a exercer suas funções. Fazendo uma breve analogia sobre o livro, é possível identificarmos outras tragédias que eclodiram como mero fruto da ambição alheia, inclusive a de Mariana (MG), que ocorreu há alguns meses atrás e foi o resultado palpável de lucro X segurança e que, assim como a de Bhopal, ainda continua impune. Algo que vale frisar é que os direitos autorais do livro financiam as ações humanitárias em Bhopal e que o autor Dominique Lapierre criou uma clínica ginecológica no local para vítimas sem recursos, a fim de ajudar na prevenção do câncer genital. A capa do livro é muito bonita e nos retrata uma bela indiana e a diagramação está boa, apesar de alguns erros de revisão.Recomendo ☺

10 comentários:

  1. Oi, amiga! Tudo bem contigo?

    Caramba, que dica de leitura fantástica! Não conhecia o livro, mas acabei de anotar seu nome aqui. Espero ler em breve! Gosto de histórias reais e há pouco finalizei um exemplar que também trazia uma narrativa passada na Índia, só que em outras condições.

    Um beijo,
    Doce Sabor dos Livros docesabordoslivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. nossa Nessa que chocante esse livro! fiquei admirada com a riqueza de detalhes reais que com certeza só agregam a trama!

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Vanessa!
    Não conhecia o livro, mas sempre acho interessante esses livros que nos levam a outras culturas, como a indiana. Confesso que esse aspecto me interessa mais do que a tragédia em si.
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Nessa, tudo bem?
    Pensei na tragédia em Mariana na hora. Como é triste perceber que o tempo passa e o ser humano não evolui em nada. =/
    Beijos,

    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
  5. Oie Nessa =)

    Eu simplesmente amo livros que nos levam a conhecer novas culturas. É como viajar sem sair do lugar, isso que de uma forma direita ou indireta conquistamos ainda mais conhecimento.
    Não conhecia o livro, mas a premissa dele me deixou bastante curiosa.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  6. Oi Nessa!
    Não conhecia o livro nem a tragédia, mas tenho interesse por livros que tratam de assuntos reais e de outras culturas também.

    Beijos,
    Epílogos e Finais

    ResponderExcluir
  7. Oi Nessa
    O tema deste livro é forte e achei bem interessante. Fiquei com vontade de ler.
    Beijos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Caramba!! Esse livro deve ser do tipo que leva a muitas reflexões sobre a vida. A realidade dura é capaz disso. Gostei muito da resenha, Nessa. Beijão!

    exploradoradelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Olá Nessa! Tudo bem com você, amada?

    Nunca tinha ouvido falar neste livro, nem nunca vi/li nada sobre ele. AMO ler livros com este gênero. Li sua resenha sentindo uma sensação estranha e um pouco de angústia. Já marquei na lista de Quero ler do Skoob.

    Obrigado por trazer leitura tão significativa para nós, um lindo dia, beijo.

    Ewerton Lenildo - Viajante das Letras.
    viajantedasletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Olá Nessa,

    Esse é mais um livro que fico conhecer endo aqui no seu blog, logo de cara gostei da capa e a sua resenha me deixou com muita vontade de lê-lo, ótima dica e parabéns pela resenha...abraço.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir