12/03/2016

Resenha: Olhos de Fogo - Helena Gomes e Kathia Brienza

Edição: 1
Ano: 2010
Gênero: Aventura/Suspense
Páginas: 176
Editora: Escrita Fina
Classificação: 3,5/5
O livro Olhos de Fogo, escrito em parceria pelas autoras Helena Gomes e Kathia Brienza, nos transporta para a cidade nordestina de Tejucupapo, mais precisamente no ano de 1646, em pleno domínio holandês. Neste pano de fundo, acontece uma série indescritível de crimes, onde as vítimas acabam tendo os seus olhos queimados. Repleto de suspense e com um embasamento histórico detalhado, o livro se mostrou bastante criativo e consegue prender a atenção do leitor, apesar de ter achado o desenvolvimento da trama um pouco lento.

No pacato vilarejo de Tejucupapo situado em Pernambuco, uma jovem mestiça é encontrada morta as margens do rio e seus olhos foram queimados. O povo, amedrontado e crédulo em lendas, acredita que a garota tenha sido morta por Anhangá, um espírito errante com temíveis olhos de fogo. Mas para a índia potiguar Jussara, a morte da jovem não teve nada de sobrenatural.

Jussara desconfia do adolescente holandês Pim Kiurlings. O garoto tem sonhos estranhos envolvendo olhos de fogo, tal como se fosse uma premonição. Os assassinatos macabros não param por aí e muitas vítimas são encontradas nas mesmas condições.

Porém, o que a população de Tejucupapo não imagina é que um perigo maior está a espreita. Os holandeses preparam um ataque-surpresa ao pacato vilarejo, aproveitando que os homens do local estão ausentes  devido a uma feira comercial. Restará apenas um povoado indefeso, composto por mulheres e crianças e um assassino capaz de tudo para não ter a sua identidade revelada...

Olhos de Fogo se mostrou um livro bastante interessante e detalhado, principalmente por relatar a Batalha de Tejucupapo, que ocorreu em 23 de abril de 1646, onde as mulheres corajosas do vilarejo pernambucano saíram vitoriosas contra os holandeses, usando como arma água fervente misturada a pimenta. O suspense foi bem intercalado a trama e em momento algum desconfiei de quem seria o assassino, tendo sido pega de surpresa pela revelação. O que destonou um pouco o enredo foi o desenvolvimento da trama que, em alguns momentos, ocorreu de modo demasiadamente lento, principalmente a julgar pela quantidade de páginas do livro. Narrado em terceira pessoa de forma bem minuciosa e detalhada, o livro não só nos descreve um fato real da história do Brasil como também o incrementa com suspense e um leve toque de sobrenatural.

Pim é um garoto extremamente inteligente e audacioso. Ele perdeu a mãe muito cedo e não recebeu todo o carinho que gostaria do pai, Frans, que se refugia o tempo todo nos estudos e parece não dar atenção para o filho. Os cuidados para com o menino ficam a cargo da escrava Isabel, que zela por Pim desde que o mesmo era pequeno. As crises de sonambulismo de Pim, sobretudo suas premonições macabras, o colocam no encalço do assassino e lhe reservam um caminho perigoso e arrepiante.

Jussara é uma jovem índia potiguar de 14 anos muito astuta e guerreira. Ela perdeu os pais em uma terrível batalha quando era uma criança e isso de certa forma a amadureceu e fortaleceu. Quando surge a série de crimes, ela logo desconfia de Pim, pois julga o comportamento do garoto estranho demais. Mas aos poucos, um vai ganhando a confiança do outro e eles se tornam grandes parceiros nesta empreitada.

Em síntese, Olhos de Fogo é um livro muito bom, que além de entreter o leitor, lhe revela fatos históricos sobre o Brasil em meio a uma trama repleta de suspense, ação e aventura. As quatro mulheres valentes que lutaram contra os holandeses por suas famílias e terras - Maria Camarão, Maria Quitéria, Maria Clara e Joaquina - foram muito bem representadas no enredo de Helena Gomes e Kathia Brienza e tiveram até mesmo os seus nomes preservados no núcleo da história. Apesar da riqueza, originalidade e destreza das autoras, achei que a narrativa demorou um tempo considerável para engatar e isso acabou interferindo um pouco na fluidez da trama. A capa do livro é simples e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e na cor marrom, revisão de qualidade e ilustrações caprichadas no miolo da obra. Apesar das ressalvas, não deixo de recomendar.

4 comentários:

  1. apesar da trama ser bem balanceada em aspectos positivos e negativos vou ser sincera ao dizer que algo ainda me deixa de pé atrás com ela, não creio que seria uma leitura que EU curtiria plenamente
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Nessa
    não conhecia o livro, mas confesso que ele não me chamou tanta atenção.

    bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Nessa,
    Infelizmente não me interessou muito o livro principalmente pelo fato da narrativa ser lenta também, estou precisando de leituras dinâmicas no momento.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    leiturakriativa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oie Nessa =)

    Não conhecia o livro e nem as autoras, mas apesar dos pontos positivos que você citou pela premissa esse livro não possui o tipo de trama que me envolveria. Na verdade achei o livro meio pesado rs...

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir