09/05/2016

Resenha: A Mulher de Trinta Anos - Honoré de Balzac

Título original: La Femme de trente ans
Gênero: Romance francês
Páginas: 240
Editora: Penguin
Classificação: 5/5
Comprar: Submarino
O livro A Mulher de Trinta Anos, clássico do autor francês Honoré de Balzac, nos traz a história de uma mulher que passa por várias intempéries e que, por meio de algumas delas, acaba se fortalecendo e esbanjando uma beleza e grandeza ímpares, já com mais de três décadas de idade. A trama foi escrita anteriormente no formato de contos, que foram unidos e editados, proporcionando uma única história e devido a esse fato, é possível notar algumas discrepâncias no enredo, mas nada que ofusque o seu brilho. Balzac delineia a alma feminina com suavidade e veracidade, nos proporcionando uma leitura gostosa, tocante e, acima de tudo, uma verdadeira ode ao brilho emanado da mulher.

Conhecemos a história de Julie, uma jovem bela e estonteante. Contrariando o desejo de seu pai, a moça, então apaixonada, resolve se casar prematuramente com um coronel do exército napoleônico. Em menos tempo do que poderia imaginar, a jovem se descobre infeliz no casamento e também na maternidade.

A Mulher de Trinta Anos não se resume apenas a Julie e sua história mas sim ao contexto do que significava ser uma mulher no século XIX, bem como todas as suas contradições e os contrastes com o período moderno. Balzac soube delinear em sua escrita a alma feminina magistralmente e creio que isso se deva ao fato do autor ter se relacionado com várias mulheres maduras e mais velhas do que ele, o que lhe serviu como experiência e fonte de inspiração para a confecção da obra. Narrado em terceira e primeira pessoa, com uma escrita rebuscada e clara, o livro faz jus a toda fama que recebeu até aqui e se mostra um retrato quase que palpável da natureza feminina.

"O casamento, instituição sobre a qual hoje se apoia a sociedade, faz-nos sentir, só a nós, todo o seu peso: para o homem, a liberdade, para a mulher os deveres. Devemos aos senhores toda a nossa vida, os senhores só nos devem as suas em raros instantes. Por fim, o homem faz uma escolha ali onde nós nos submetemos cegamente. Pois bem, o casamento, tal como se pratica hoje, parece-me ser uma prostituição legal."

Julie é uma personagem complexa e até mesmo inconstante. Ela muda de opinião em vários momentos e também tem os seus próprios arrependimentos, o que a torna humana e muito próxima do real. Ela reluta antes de fazer suas escolhas e se arrepende não só por cometê-las, como por também deixar de fazê-las, o que lhe concede uma complexidade muito grande. O que mais admirei nesta heroína trágica foi a sua forma de enxergar a vida e os seus devaneios acerca disso, principalmente no que concerne ao contraste entre os sexos e a maturidade da mulher.

"A moça tem apenas uma coqueteria, e acredita ter dito tudo quando tira o vestido; mas a mulher tem inúmeras e esconde-se sob mil véus; por fim, afaga todas as vaidades, e a noviça só lisonjeia uma. Aliás, na mulher de trinta anos agitam-se indecisões, terrores, temores, perturbações e tempestades que jamais se encontram no amor de uma mocinha."

Em síntese, A Mulher de Trinta Anos nos traça um retrato pungente e delicado sobre a mulher do século XIX e vertentes significativas também sobre a mulher moderna. A forma e a destreza com que Balzac constrói a sua narrativa são surpreendentes e mesmo tendo algumas lacunas quanto ao tempo - pois o texto nada mais é do que a junção de vários contos que compõe A Comédia Humana - o enredo é esplendoroso e dotado de sutileza e vigor. A capa nos traz o retrato de uma mulher madura delineada com elegância e altivez e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo ☺

10 comentários:

  1. Oi Nessa,
    confesso que já conhecia o livro, mas ele não me chama atenção.
    Quem sabe em outro momento

    bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  2. Não é exatamente o tipo de livro que eu me interessaria num primeiro momento, mas sua resenha me fez ficar bastante interessada, principalmente por se tratar de um livro sobre o universo feminino.
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  3. oi Nessa, a trama é interessante... traz a essência da mulher e suas vertentes! é uma trama atrativa e que eu gostaria de ler
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Apesar de não ter gostado dessa capa ,eu gostei muito do enredo e poderia ler esse livro um dia sim.
    Mil Beijos!
    https://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oie Nessa =)

    Não conhecia o livro, mas como simplesmente amo literatura francesa já estou adicionando ele na minha lista. Além disso, a premissa combina bem com a minha atual fase de vida rs...

    Adorei a dica ;)

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary


    ResponderExcluir
  6. Oie!
    Confesso que não é o um livro que me atrai, então vou deixar para outra oportunidade. Não sei se vou gostar da leitura dessa trama.
    Bjks!
    histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  7. Oi, Nessa!
    Não conhecia o livro, mas a história parece ser bem interessante!
    Parabéns pela resenha!
    Beijos,
    Elidiane - Leitura Entre Amigas
    http://leituraentreamigas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. É aquela mulher de 30 anos que eu não virei kkkkkkk esse livro é muito famoso!!! Já me indicaram e sempre fico de ler ;D

    Blog AmigaDelicada.com ❥

    ResponderExcluir
  9. Oi Nessa,
    Acho que como estou quase chegando aos trinta, esse livro seria uma boa pedida.
    Não conhecia.

    tenha uma ótima quarta!
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  10. Oi Nessa!
    Nunca li Balzac mas a tua resenha está maravilhosa! Quando eu quiser ler algo e gênero com certeza vou colocar esse entre as escolhas.
    Beijos!
    Lua.

    http://luahmelo.blogspot.com

    ResponderExcluir