09/09/2016

Resenha: As Cores do Entardecer - Julie Kibler

Título original: Calling me home
Gênero: Romance
Páginas: 352
Editora: Novo Conceito
Classificação: 5/5
Comprar: Submarino
As Cores do Entardecer, livro de estreia de Julie Kibler, nos traz um romance singelo e muito bonito sobre dois jovens apaixonados que são cruelmente separados devido as suas diferenças raciais. Se baseando na história de sua própria avó, que foi apaixonada por um jovem negro mas não pode seguir adiante devido aos costumes daquela época e região, a autora nos traça uma trama intensa sobre o amor e todas as suas fronteiras e obstáculos.

Os jovens Isabelle e Robert desejavam com cada fibra de seu ser se entregarem à forte paixão que os consumia. Porém, uma moça branca e um rapaz negro não poderiam vivenciar tal ousadia em plena década de 30, em uma das regiões mais intolerantes e preconceituosas do Estados Unidos, sem pagarem um alto preço por isso. Diante dos ouvidos da atenciosa cabeleireira Dorrie, a história do amor trágico e proibido destes dois jovens se desdobra, enquanto fortes mudanças se instalam na vida de cada um deles.


As Cores do Entardecer se mostrou um livro forte, intenso e emocionante. Mesmo dotado de uma certa carga dramática, o romance conseguiu desanuviar o clima pesado e mostrar todo o poder a a força do amor em uma época marcada pela segregação racial, impedindo os negros de votarem, permanecerem na rua após o anoitecer e até mesmo de frequentarem os mesmos ambientes e locais do que os brancos. Narrado em primeira pessoa, de forma alternada por Dorrie e Isabelle e mesclando passado com o presente de um modo bem sincronizado, o livro nos traz um romance memorável e norteado por obstáculos, mostrando que mesmo após a emancipação dos escravos, durante a Guerra Civil Americana, o preconceito ainda continuou fortemente arraigado aos americanos, ao ponto de cometerem barbáries e crueldades terríveis.

Isabelle é uma jovem forte, impetuosa e muito inteligente. Após ser salva das garras de um homem pervertido que a abordou em uma festa por Robert - filho da governanta de sua família - a moça passa a encarar o jovem de forma mais intensa. Eles foram criados juntos, mas o fato do rapaz arriscar sua própria pele para salvá-la no breu da noite, em tempo de ser agredido pelos moradores por ultrapassar o toque de recolher, faz com que ela o admire e nutra sentimentos intensos e belos por ele. O romance deste casal resiste à muitas intempéries e convenções da época, se mostrando forte, magnânimo e genuíno. Sofrendo forte pressão da própria família e da sociedade, que abomina o seu relacionamento com um negro, Isabelle se mostra corajosa, destemida e luta com cada fibra de seu ser para ficar ao lado do homem que ama.

"O coração é um inquilino exigente; com frequência apresenta argumentos fortes contra o bom senso."

Pela mulher que ama, Robert enfrenta tudo e a todos e coloca sua própria vida e integridade em risco. Por ela vale a pena lutar, perseverar e se necessário for, até mesmo morrer. Tão corajoso e valente quanto sua amada, o jovem desafia os obstáculos impostos pela sua cor de pele e faz de tudo para viver sua bela e intensa paixão. Passando por tragédias, separação e uma dor excruciante, ele não desiste de sua doce Isabelle e se mostra um verdadeiro Romeu lutando por sua Julieta.

Outra personagem que merece destaque dentro da trama é Dorrie. Ela nem imagina a história de vida de uma de suas clientes mais fiéis, Miss Isabelle, e ao fazer uma viagem de carro com a senhora de 89 anos para Cincinatti rumo a um funeral, fica completamente comovida e emocionada com sua trajetória. Dorrie é uma mulher forte e independente, que se divorciou e criou dois filhos sozinha. Devido a algumas frustrações do passado, não consegue confiar totalmente em alguém para se entregar ao amor novamente e está amargando alguns problemas no seio de sua família. O exemplo e sobretudo a lição de vida de Miss Isabelle a encorajam e lhe dão novo fôlego e esperança.

Em suma, As Cores do Entardecer é um livro envolvente, emocionante e intenso. O romance de Isabelle e Robert conseguiram tocar fundo em minha alma e até mesmo relatar um pouco do que foi a segregação dos anos 30 e como esse preconceito insano e infundado infelizmente ainda permanece vivo na mediocridade atual. A viagem do Texas à Cincinatti de Dorrie e Miss Isabelle foi bem edificante e mostrou o quanto essa dupla improvável tem histórias de vida interessantes e marcantes. A capa do livro é muito bonita e conseguiu transmitir a essência do enredo e a diagramação está bem caprichada, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo ☺

13 comentários:

  1. Uma coisa que não se pesquisa ou se fala muito nas Américas é sobre o pós-abolição, aqui e nos EUA foi uma época terrível, lá talvez até pior que aqui pois havia diferentes leis para negros e brancos e os negros passaram maus bocados para gozar da liberdade que conquistaram a duras penas... O pós-abolição foi uma coisa tão ruim que até hoje lutamos contra todo tipo de preconceito. Eu não conhecia esse livro, mas só por abordar esse tema já me interesso por ele.

    Pandora
    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. Nossa, parece um livro bem forte e ao mesmo tempo lindo de ser ler. Irei comprar para ler, esse tema é muito forte e estou curiosa para saber como foi abordado na história. Infelizmente ainda existe isso nos tempos atuais. Parabéns pela resenha! Beijo ♥️

    Blog Literário 2

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia o livro, achei a premissa muito interessante, fiquei muito curiosa pela leitura, é um tema muito forte. Gostei muito da sua resenha, vou marcar como desejado!

    Obrigada pelo carinho. Beijos :*
    Claris - Plasticodelic

    ResponderExcluir
  4. a trama é super emocionante mesmo! passei tanto tempo desejando esse livro que achei que fosse me decepcionar um pouco com o enredo, ao contrário me cativou ainda mais!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oie!
    Eu já li o livro e achei a trama bem delicada, daquelas bem emocionantes. Uma ótima dica para quem gosta do gênero.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  6. Oi Nessa
    O livro parece ter uma história forte e envolvente, gostei do enredo e fiquei com vontade de ler.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Muito linda a capa e pelo que li a história é mais linda ainda, deve ser uma história muito forte e ao mesmo tempo singela. Certeza de que irei chorar ao ler esse livro.♥
    Art of life and books

    ResponderExcluir
  8. Oi Nessa!
    Nunca tinha parado pra ler sobre o que é esse livro, parece ser um enredo muito bom e bem desenvolvido, fiquei com vontade de ler!
    Abraço!
    http://leituraforadeserie.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi Nessa,
    li este livro faz pouco tempo e confesso que ele não me agradou.
    Não me prendi a história

    bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi Vanessa, tudo bem?
    Dica interessante, ainda mais por abordar uma fase histórica tão triste e dramática.
    Beijos,

    Priscilla
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  11. Oie Nessa =)

    Eis um livro que nunca me chamou a atenção. Acho interessante o plano de fundo usado, mas infelizmente não consegui me sentir atraída para ler a história.

    Fico feliz em saber que você se envolveu e se emocionou com a história.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary


    ResponderExcluir
  12. Olá Nessa,

    Já li algumas resenhas desse livro e todas foram positivas, gostaria de lê-lo, está na minha lista, gosto da capa também....abraço.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Que história forte, hein?
    Não tinha ouvido falar desse livro ainda, mas curti suas críticas sobre ele. Deu pra sentir que, apesar da carga dramática, a autora conseguiu desenvolver a história sem muito peso.
    Beijos!
    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir