03/11/2016

Resenha: Mr. Mercedes - Stephen King

Título original: Mr. Mercedes
Gênero: Suspense/Terror
Páginas: 398
Editora: Suma de Letras
Classificação: 5/5
Comprar: Submarino
O livro Mr. Mercedes, primeiro volume da trilogia Bill Hodges, de Stephen King, nos traz uma verdadeira batalha entre o bem e o mal e um mergulho alucinógeno pela mente de um psicopata sórdido e cruel. Abrindo mão do sobrenatural e explorando a maldade humana em todas as suas facetas, King nos apresenta um thriller policial de tirar o fôlego, onde o tempo escorre pelas mãos e o perigo se mostra cada vez mais iminente.

Em uma falida cidade do Meio-Oeste, ainda nas primeiras horas da madrugada, centenas de pessoas fazem fila em uma feira de empregos, desesperadas para conseguir um trabalho. De repente, um carro surge e avança pelo meio da multidão. Escondido pela neblina, um Mercedes atropela vários inocentes, fazendo novas investidas. Oito pessoas morrem e outras ficam gravemente feridas, enquanto o assassino escapa ileso.

Meses depois, o detetive Bill Hodges ainda é atormentado pelo fracasso na investigação do caso do Mercedes e passa os seus dias de aposentado em frente à televisão, fazendo planos de se matar. Ao receber uma carta anônima de alguém que se identifica como o "Assassino do Mercedes", ele desperta da aposentadoria adormecida disposto a encontrar o culpado pelo crime.

Brady Hartsfield mora com a mãe alcoólatra e psicótica na mesma casa em que nasceu e sentiu um prazer extremo em cada segundo que ficou ao volante do Mercedes e anseia por mais. Hodges e seus aliados precisam capturá-lo o mais rápido possível, antes que ele ataque de novo.

Mr. Mercedes foi mais uma das obras de Stephen King que conseguiram me envolver por completo e mostrar até onde o ser humano é capaz de ir em sua loucura e profunda obsessão. Em uma verdadeira batalha do bem contra o mal, acompanhamos um detetive aposentado frustrado por não ter solucionado um caso que chocou toda uma cidade e que cogita até mesmo o suicídio e um assassino sem escrúpulos, disposto a tudo para realizar os seus intentos mais cruéis e sanguinários. Narrado em terceira pessoa com um ritmo contagiante e alucinante, o enredo do primeiro volume da trilogia Bill Hodges choca o leitor e nos mostra um vilão aterrorizante, cruel e absurdamente insano.

"Toda religião mente. Todo preceito moral é uma ilusão. Até as estrelas são miragens. A verdade é a escuridão, e a única coisa que importa é fazer uma declaração antes de se entrar nela. Rasgar a pele do mundo e deixar uma cicatriz. É disto que se trata a história, afinal: cicatrizes."

Bill Hodges  se culpa por muita coisa em sua vida e uma delas é pelo fato de não ter descoberto o assassino por trás do crime do Mercedes. Enquanto tem pensamentos homicidas em frente à TV, ele recebe uma carta anônima do suposto assassino o incitando a descobrir a sua verdadeira identidade. Contando com a ajuda de um rapaz que trabalha cuidando de seu jardim, Jerome e com Holly, a prima de sua namorada que sofre com alguns distúrbios psicológicos, Hodges coloca sua mente para trabalhar e usa de toda a sua impetuosidade e experiência para descobrir o serial killer que ceifou tantas vidas inocentes e que promete aprontar ainda mais. Conhecer o lado humano de Hodges, com todas as suas fragilidades, anseios e culpas, propiciou um realismo interessante para a trama, mostrando que todos nós, independente da fase que nos encontramos na vida, somos obrigados a conviver e também a exorcizar os nossos próprios fantasmas. Enquanto fica na mira do "Assassino da Mercedes", Hodges se depara com o amor e também com uma dor profunda e dilacerante, que acabam sacramentando sua existência e, de certa forma, até mesmo o fortificando. Sua astúcia e destreza são impressionantes e mal posso esperar para conhecer as demais histórias envolvendo o detetive.

Brady Hartsfield, despido de todo o sobrenatural que circunda as tramas de Stephen King, se mostrou um dos seus vilões mais atrozes e cruéis, ocupando o mesmo posto de figuras aterrorizantes como o palhaço Pennywise, de It A Coisa (que me causa pesadelos até hoje). Ainda criança, ele participa de um assassinato e tem um relacionamento completamente insano e incestuoso com a própria mãe. Apesar de toda a sua mente diabólica e perversa, ninguém desconfia de sua verdadeira faceta, camuflada pelo seu emprego como vendedor do carro de sorvetes. Seus pensamentos e analogias acerca da vida e das pessoas que o cercam são hediondos ao extremo e nos causa aquele misto de medo e emoção, sem saber o que as próximas páginas irão revelar.

Em síntese, Mr. Mercedes nos traz a saga de três heróis improváveis, com todas as suas limitações e defeitos, na mira de um assassino sórdido e cruel. Se mostrando uma verdadeira corrida contra o tempo e nos revelando surpresas tenebrosas capítulo após capítulo, o livro se tornou um verdadeiro palco do terror e de outros tantos elementos sinistros, mostrando o quanto a mente humana pode ser cruel, perversa e incrivelmente perigosa. A capa do livro nos traz um guarda-chuva em meio a uma chuva de sangue, salientando o terror presente na trama e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo ☺

5 comentários:

  1. king não é uma das minhas escolhas, Nessa!
    não creio que tenha afinidades com a forma dele de escrever

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oie Nessa =)

    Esse é um autor que vivo falando que vou dar uma segunda chance, mas sempre acabo deixando para lá rs...

    Até tenho curiosidade por alguns lançamentos do King, porém o receio que a obra acabe migrando para o terror faz com que eu não leve a curiosidade em diante.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  3. Oi Nessa!

    Preciso ler King urgentemente! Mr. Mercedes parece ser incrível! E adorei a capa tb! Espero poder ler em breve!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Oi Nessa! Me tirou o fôlego só de ler essa resenha, esse livro parece incrível e adoro o King! Suas tramas sempre tão cheias de tensão, suspense e envolvendo psicopatas me interessam mais ainda! Parabéns pela resenha!

    beijos,
    Jéssica - pitadadecinemaeleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá Nessa,

    Eu já mencionei aqui que eu ainda não li nada do autor e cada resenha que leio sua fico ainda mais curioso, vamos ver se no ano que vem consigo....abraço.


    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir