23/03/2017

Resenha: O Que Há de Estranho em Mim - Gayle Forman

Título original: Sisters in sanity
Gênero: Romance
Páginas: 224
Editora: Arqueiro
Classificação: 5/5
Comprar: Submarino
O livro O Que Há de Estranho em Mim, da americana Gayle Forman, nos traz uma história profunda e intensa sobre a vida adolescente e algumas de suas particularidades que são quase uma incógnita para muitos adultos. Fruto de uma pesquisa minuciosa feita pela autora com jovens que passaram por centros de tratamento, o enredo se mostrou bastante maduro em vista de outras obras de Gayle Forman, além de trabalhar com uma temática forte e por vezes chocante.

Quando o pai de Brit resolve internar a filha numa clínica, acredita que só está ajudando a jovem se tornar uma pessoa centrada e nem imagina o quanto aquele lugar lhe faz mal. Com apenas dezesseis anos, a adolescente passa por um método duvidoso e aterrorizante de terapia, que consiste em ofender e humilhar as outras colegas em público e delatar infrações alheias com o objetivo de ganhar a liberdade.

Sem saber em quem deve confiar e nada disposta a cooperar com os conselheiros do local, Brit automaticamente se isola. Porém, a jovem não fica sozinha por muito tempo, visto que outras garotas se unem a ela, formando uma espécie de resistência para lidar com esse modo de vida tão hostil e macabro. As jovens V, Bebe, Martha e Cassie se tornam suas verdadeiras companheiras durante a sua estadia na Red Rock e um pedacinho de oásis em meio ao imenso deserto de opressão.

O quinteto se une em busca de uma forma de desafiar o opressivo sistema da Red Rock e mostrar ao mundo que apesar de suas peculiaridades, não passam de adolescentes normais como tantas outras e que não possuem nada de desajustadas como o sistema e as suas próprias famílias decidiram pintá-las.

O Que Há de Estranho em Mim se revelou um livro intenso e um verdadeiro apelo para que a sociedade entenda e aceite os seus jovens do modo como eles são. Ninguém é igual a ninguém e logicamente que possui suas particularidades próprias, o que não os torna abominações ou seres intergalácticos por pensarem e agirem de forma diferente da massa. Seja no que concerne à opção sexual, credo, vestuário ou estilo musical, todos devemos ser respeitados e aceitos por nossas próprias escolhas e decisões nesta vida. O mais interessante na obra de Gayle Forman é que os pais das garotas que são internadas na aterrorizante Red Rock em momento algum tentam compreender ou ao menos conversar com suas filhas e além deles próprios erguerem uma barreira invisível e intolerante com sua prole, decidem que algo externo e totalmente frio e alheio a tal situação é capaz de prover milagres. Narrado em primeira pessoa por Brit - o que nos propicia uma visão ampla e íntima da história -, o livro de Gayle Forman trata de um tema forte e que ainda está bem distante de ser absorvido integralmente pela humanidade.

"A única coisa que devemos temer é o próprio medo."

Brit é uma adolescente que preza seu visual exótico e sua forma excêntrica de viver. Com madeixas parcialmente cor-de-rosa e algumas tatuagens pelo corpo, a jovem toca guitarra em uma banda e ama o que faz. Sua mãe padece de problemas psicológicos e o pai - persuadido erroneamente pela madrasta da adolescente - associa o modo de vida gótico da filha com o histórico nada saudável de sua família como uma espécie de distúrbio neurológico e decide internar a filha em uma clínica de tratamento. A partir daí se inicia uma nova fase na vida de Brit e em um lugar de tanta opressão e medo ela encontra jovens tão diferentes e originais quanto ela, querendo ser aceitas pela sociedade do jeitinho que são, principalmente por suas próprias famílias. Em meio a Red Rock, nos deparamos com adolescentes que foram internadas por assumirem sua homossexualidade, por terem engordado sem uma justificativa plausível, por terem sido pegas em ato sexual, dentre outros motivos banais e totalmente desprovidos de atenção, carinho e respeito. Em torno dessa miríade de jovens assustadas e passando pelas primeiras incursões da adolescência, adentramos um universo de seres humanos cruéis, opressores e que se satisfazem com a tristeza e o martírio alheio.

"A loucura e a sanidade ficam em lados opostos de um oceano, mas na verdade não passam de duas ilhas vizinhas."

Em suma, O Que Há de Estranho em Mim é um livro visceral e intenso, que vai além de contar uma história ficcional e nos mostra o quanto a nossa adolescência ainda é incompreendida e massacrada pela sociedade, muitas vezes dentro da própria casa. Durante a leitura, foi praticamente impossível não me lembrar de outro livro que trata da mesma temática, apesar de ser autobiográfico e se passar durante a época da Guerra do Vietnã, Garota, Interrompida - que inclusive virou até filme com a talentosíssima Angelina Jolie no elenco - visto que ambos abordam com profundidade e clareza o universo jovem e os seus conflitos existenciais com o mundo adulto. Os personagens de Gayle Forman foram bem desenvolvidos e centrados dentro da história, além de serem heterogêneos entre si e possuírem um certo mistério em suas condutas. A capa do livro nos traz uma jovem em uma posição de isolamento - refletindo bem o teor do enredo - e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo ☺

9 comentários:

  1. Oie,
    já vi este livro em vários lugares, mas nunca li.
    Gostei da resenha, mas não leria agora

    bjos
    Blog Vanessa Sueroz
    Canal no youtube

    ResponderExcluir
  2. Oi Nessa
    Eu curti muito este livro, amei o enredo e li super rápido. Adoro os livros desta autora.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. o que eu mais gostei Nessa foi a relação entre pais e filhos abordadas no livro, as meninas do Red Rock não precisavam de tratamento, elas precisavam de diálogo e atenção
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Nessa,
    Meu primeiro contato com a autora não foi bom, então confesso que sempre vou adiando os outros livros dela.
    Mas depois de tantos elogios, fico curiosa para saber se melhorou.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi! Só o título já me fez perceber que a história é bem forte. Estou ansiosa para conhecer a escrita da autora e como tudo irá terminar. Bjos ❤

    Click Literário

    ResponderExcluir
  6. Oi Nessa, tudo bem? Eu ainda não li nada da autora, mas tenho vontade. Com certeza parece ser um livro denso, do tipo que preciso me preparar pra ler rs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  7. Ouço falar muito bem da autora, mas ainda não senti o clique necessário. Talvez num futuro próximo eu possa lê-lo :s

    http://entremundosliterarios.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Vanessa,

    Adoro essa autora, mas por algum motivo não me interessei em ler este livro. Hoje, depois de tantas resenhas positivas, me arrependo de não ter lido antes. Tô correndo atrás e espero gostar.

    Bjs, @dnisin
    www.sejacult.com.br

    ResponderExcluir
  9. Olá Nessa,

    Só li um livro da autora e gostei, apesar de não achar tudo o que o pessoal falou, mas quero ler outros e esse é um deles, gostei demais da resenha...abraço.

    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir