14/04/2017

Resenha: Achados e Perdidos - Stephen King

Título original: Finders Keepers
Gênero: Suspense
Páginas: 352
Editora: Suma de Letras
Classificação: 5/5
Comprar: Submarino
Em Achados e Perdidos, segundo volume da trilogia Bill Hodges, de Stephen King, conhecemos a história de um leitor obcecado e capaz das piores atrocidades em busca de seu desejo macabro. Tecido com requintes de crueldade e uma ironia mórbida, o livro nos mostra o poder da literatura de mudar vidas para o bem e para o mal e toda a escrita bem articulada, assustadora e emocionante de Stephen King.

Morris Bellamy é um leitor fanático e obcecado pelas obras de John Rothstein - autor que sagrou-se um gênio da literatura e que abandonou o mundo das letras há muitos anos atrás. Mais do que ser um dos maiores fãs de Rothstein, Bellamy também é o seu mais minucioso e mordaz crítico. Inconformado com o final que o escritor deu para seu personagem favorito, ele não pensa duas vezes em invadir sua casa e roubar manuscritos inéditos, depois de assassiná-lo friamente com um tiro na cabeça.

Antes de ser preso por cometer estupro, Bellamy trata de esconder os preciosos manuscritos à sete chaves. Décadas depois, Peter Saubers, um garoto de treze anos, descobre o tesouro enterrado no quintal de sua casa e se delicia com as histórias de John Rothstein sem saber o que lhe espera.

Depois de trinta e cincoanos na prisão, Bellamy é solto e toda a família Saubers se encontra em perigo. A segurança deles depende do ex-detetive Bill Hodges e de seus ajudantes Holly e Jerome, para protegê-los de um assassino implacável, vingativo e sedento por sangue.

Achados e Perdidos nos traz uma história alucinante e tensa sobre a linha tênue que separa fãs de fanáticos e todos os terrores causados por uma obsessão profunda. Por mais que a obra traga traços de Misery - um outro livro estupendo de King - aqui percebemos que o foco do autor foi explorar o mundo da literatura e impactar seus fiéis amantes com um personagem arrepiante, cruel e que pasmem, faz com que de certa forma todos os leitores vorazes se identifiquem com ele. Narrado em terceira pessoa de forma bastante descritiva e envolvente, Achados e Perdidos se mostrou uma verdadeira - e sanguinária  - carta de amor ao prazer da leitura.

"Para os leitores, uma das descobertas mais eletrizantes da vida era a de que eles eram leitores, não apenas capazes de ler, mas apaixonados pelo ato. Desesperadamente. Incorrigivelmente."

Morris Bellamy sempre foi um garoto inconsequente e rebelde. Quando uma professora lhe apresentou a trilogia O Corredor, do consagrado autor John Rothstein, algo se transformou dentro dele, por mais que esse sentimento não mudasse a sua verdadeira personalidade. Inconformado com o final que o autor deu para Jimmy Gold - o protagonista principal da saga - ele resolve arquitetar com seus comparsas um roubo a casa do autor, então aposentado da carreira literária. Ele rouba cadernos inéditos do cofre de Rothstein, antes de alvejá-lo friamente e logo em seguida assassinar cada um dos membros da quadrilha. Antes que ele tenha o prazer de se deleitar com o conteúdo inédito do escritor, Bellamy acaba sendo preso por outro crime e passa 35 anos na cadeia, sonhando com o dia em que terá acesso aos preciosos manuscritos. Quando alcança a liberdade, ele segue implacavelmente em busca do tesouro e quando não o encontra, enlouquece e avidamente persegue um por um em busca de vingança e retaliação. Despido do sobrenatural, Morris Bellamy se mostrou um dos personagens mais cruéis e assustadores de Stephen King por sua obsessão doentia e sanguinária e por, de certa forma, ter aspectos condizentes e identificáveis com boa parte dos leitores. Ele arquiteta minuciosamente seu plano de vingança como se estivesse escrevendo um livro; uma espécie de obra-prima de sua vida e se orgulha de seus atos com um prazer mórbido e doentio. O desfecho do personagem foi muito bem elaborado pelo autor, além de trazer traços de Mary Shelley para a trama.

"Livros eram sua fuga. Livros eram liberdade."

Peter Saubers é um jovem inteligente e perspicaz. Por mais que se encontre na mira de um assassino cruel e sanguinário, ele enfrenta seu algoz com ousadia e luta ferozmente, tal como um rato que se vê encurralado pela cobra e tenta todos os seus mecanismos de defesa possíveis para sobreviver. Gostei também do forte apreço do personagem pela família e como, ao seu modo, ele faz de tudo para ajudá-los. Vale ressaltar que o pai de Peter, Tom, foi uma das vítimas do assassino do Mercedes e isso se torna um elo que correlaciona as duas histórias. Bill Hodges ainda lida com os fantasmas do passado, mas parece que a adrenalina do caso anterior despertou algo adormecido dentro do ex-detetive, disseminando sua coragem, destreza e inteligência. Apesar dele ter se mostrado essencial na trama, senti que ele acabou sendo ofuscado pelo jovem Peter, responsável por boa parte das cenas marcantes do livro.

Em síntese, Achados e Perdidos é um livro inteligente, ousado, criativo e escrito com brilhantismo e destreza pela mente do gênio Stephen King. O autor brinca com o prazer da leitura como ninguém e destila sua ironia ao cenário contemporâneo como lhe convém, seja citando Convergente, o livro que aparenta ser "uma leitura um tanto desinteressante" no colo de Tina, a irmã caçula de Peter, seja ao descrever O Sol é Para Todos e O Apanhador no Campo de Centeio salpicados de sangue no mostruário de uma livraria. A capa é bem condizente com o enredo, além de chamar atenção para o seu conteúdo e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo, com certeza!

Confira resenha do volume anterior da trilogia Bill Hodges:

►MR. MERCEDES


8 comentários:

  1. Eu realmente não me dou bem com os enredos do King, Nessa

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Nessa,
    Ainda não consigo me aventurar no Stephen King.
    Algo me barra. Vejo tantos elogios... Preciso enfrentar, desanimo um pouco por ser um gênero que eu não sou muito fã também.
    Beijo
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu nunca li nada do autor, só vi alguns filmes baseados em suas obras. confesso que morro de vontade de ler algo dele, e essa trilogia parece mesmo ser bem legal!

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    Romantic Girl

    ResponderExcluir
  4. Oie
    Eu sou doida para ler algo do autor, e me parece que todos livros são bons. Preciso me organizar.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi, Vanessa!
    Menina, eu estava esperando sair logo toda essa trilogia pra começar a ler. Eu vi que ela recebeu muitos elogios por aí. Espero não me decepcionar.
    Beijos
    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  6. Oi
    Eu adoro um suspense e com certeza vou ler essa trilogia.
    Está na minha listinha de compras
    Adorei a sua resenha
    Beijinhos
    Renata
    Escuta Essa

    ResponderExcluir
  7. Oi Nessa!
    Acho que você gostou dessa leitura mais do que eu hehe. Eu gostei de Achados e Perdidos, mas acho que está muito longe de ser um dos melhores livros do King (e tive a mesma impressão com Mr.Mercedes) como o próprio Misery que você citou. Mas uma coisa eu reconheço: Bellamy é um excelente personagem.
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oie Nessa, tudo bom?
    Eu estou louca nessa trilogia, como já amo tudo que o King escreve eu estou colocando maior fé.

    Beijos,
    Paixão Literária

    ResponderExcluir