28/04/2017

Resenha: Orgulho e Preconceito - Jane Austen

Título original: Pride and Prejudice
Gênero: Romance
Páginas: 402
Editora: Landmark
Classificação: 5/5
Comprar: Saraiva
O livro Orgulho e Preconceito - considerado a obra-prima da autora inglesa Jane Austen -, nos traz um romance intenso, forte e incrivelmente atemporal, relatando com afinco as diferenças entre as classes sociais, além de mostrar que determinados sentimentos, tais como o preconceito e o orgulho, podem nebular as primeiras impressões que temos sobre uma pessoa. Publicado em 1813, o livro possui características e personagens marcantes, além de ter sido escrito de uma forma minuciosamente detalhada e com um certo teor espirituoso e satírico. Elizabeth Bennett e Fitzwilliam Darcy se tornaram personagens inesquecíveis e foram construídos com brilhantismo e maestria, representando todas as facetas humanas com louvor e sagrando-se um dos casais mais amados e benquistos dentre os clássicos ingleses.

Esmiuçando temáticas sumamente importantes naquela época, como casamentos e relacionamentos, Jane Austen tece uma trama inteligente e levemente cômica sobre como a sociedade idealizava o matrimônio e ressaltava sua importância, afirmando até mesmo que a função primordial de um homem e de uma mulher nesta terra era encontrar o companheiro ideal, nem que precisasse persegui-lo à ferro e fogo.

Na Inglaterra do século XVIII, conhecemos Elizabeth Bennet e Fitzwilliam Darcy, um casal que faz mal jugo de si próprios e que se encantam por tomarem ciência de quanto estavam errados. Lizzie tem outras quatro irmãs, mas nenhuma delas está casada, o que a sua mãe, Sra. Bennett, considera um extremo absurdo e fonte de preocupação. Quando Mr. Bingley, um jovem bem-sucedido, aluga uma mansão próxima à residência dos Bennet, a matriarca da família enxerga uma oportunidade perfeita para casar uma de suas filhas. Porém, enquanto Mr. Bingley é visto com bons olhos, seu fiel amigo e escudeiro Mr. Darcy é interpretado como insolente e arrogante, principalmente por Lizzie por ter ferido o orgulho da jovem quando a viu pela primeira vez. Ele também não enxerga a moça sob um prisma colorido e faz mal jugo dela, porém acaba se encantando com sua doçura e determinação. A partir desse pressuposto, surge uma história descortinante que mostra gradativamente a evolução do relacionamento do casal e das pessoas que os circundam, fazendo forte alusão à sociedade inglesa rural do final do século XVIII.

"É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro, possuidor de grande fortuna, deve estar em busca de uma esposa."

Orgulho e Preconceito é um dos meus livros favoritos por trazer um romance forte e imponente, capaz de vencer todas as dificuldades e barreiras sociais e também por apresentar personagens de fibra e à frente de sua época, repletos de garra, determinação e opiniões próprias. Lizzie não tem medo de falar o que pensa e sustenta os seus sentimentos de forma impressionante. Já Darcy, apesar de surgir no enredo de um modo austero e esbanjando ares de superioridade, se mostrou um dos mocinhos mais amados da literatura por todo o seu romantismo, cuidado e abnegação por aqueles que ama. Narrado em terceira pessoa de forma ricamente detalhada e com uma escrita sutil e refinada, o livro encanta o leitor logo nas suas primeiras páginas e nos apresenta personagens marcantes e inesquecíveis.

"E eu poderia facilmente perdoar seu orgulho, se ele não tivesse mortificado o meu."

Lizzie é uma personagem forte, destemida e guerreira. Ao contrário das demais moças de sua época, que fazem tudo por um belo e sucedido casamento, a jovem pensa em se casar por amor e vai contra a todas as regras ditadas pela Sra. Bennet. Ao conhecê-la em um baile da alta sociedade, Mr. Darcy não acha sua beleza tão exuberante assim e associa o comportamento da jovem com o de sua família, como se ela fosse apenas mais uma mulher na busca implacável por um marido. Lizzie fica profundamente ofendida com esse comentário e acaba nutrindo cada vez mais uma certa apatia por Darcy. Mesmo atraída por ele, ela suplanta os seus verdadeiros sentimentos e deixa o orgulho falar mais alto. Sempre tentei associar qual personagem representava a face da moeda do orgulho e a do preconceito e depois de duas leituras do livro, só posso constatar que tanto Darcy quanto Lizzie são dotados dos dois sentimentos e temperam a obra com suas determinadas personalidades, em maior e menor escala. Acompanhar a evolução do romance do casal foi o ápice do livro, além de nos apresentar uma das histórias de amor mais brilhantes e atemporais de todos os tempos.

"Tenho lutado em vão. Não resistirei. Meus sentimentos não serão reprimidos. Você deve permitir que eu lhe diga o quão ardentemente a admiro e a amo."

Darcy é um personagem surpreendente, que se despe da sua imagem de antipatia e prepotência para se revelar um dos mocinhos de coração mais terno e adorável da literatura inglesa. Vale ressaltar que o primeiro título do livro foi "First Impressions" (Primeiras Impressões) justamente por mostrar o quanto os protagonistas estavam enganados a respeito um do outro a julgar pela primeira impressão que tiveram no baile do Mr. Bingley. Tanto Lizzie quanto Darcy cometem erros em seu julgamento e a carta apaixonada e emocionante que ele escreve para ela justifica muitas de suas ações, sem querer acobertar os seus atos, o que salientou ainda mais a nobreza e firmeza de caráter do protagonista.

Resumidamente, Orgulho e Preconceito é um dos romances mais belos e bem construídos que eu já tive a oportunidade de ler, nos apresentando um casal forte e apaixonante e uma história inteligente e norteada por relacionamentos e sentimentos adversos que moldavam a sociedade inglesa do século XVIII, temperados com um leve toque de humor e ironia. Em 1995, a BBC produziu uma minissérie belíssima sobre a obra, com Colin Firth e Jennifer Ehle nos papéis principais, que conseguiu fidelizar o enredo de Jane Austen com maestria e precisão. Também em 2005 foi feita uma adaptação cinematográfica do livro com Keira Knightley e Matthew Macfadyen representando, respectivamente, Lizzie e Darcy, que conseguiu agradar e emocionar o público com suas performances. A capa do livro é hardcover e traz a ilustração do filme homônimo dirigido por Joe Wright e a diagramação está caprichada, apesar de ter achado a fonte do livro um pouco pequena e de ter notado alguns erros de concordância na tradução. Recomendo, com certeza!

Confira o trailer da minissérie Pride and Prejudice:




Confira o trailer do filme Orgulho e Preconceito:




11 comentários:

  1. Oi Nessa
    Faz tempinho que eu li este livro e já assisti o filme várias vezes, quero muito reler.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. é um clássico brilhante, Jane Austen é daquelas autoras para nunca enjoar
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Nessa, sua linda, tudo bem?
    Jane Austen é minha diva literária!!! Eu adoro todos os livros dela. Mas realmente, orgulho e Preconceito me marcou muito, já perdi a conta de quantas vezes eu li e vi o filme. Adorei sua resenha!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Nessa, tudo bem?
    Quero muito ler <3 assisti ao filme e achei bem legal. Dizem que a série é ainda melhor que o filme.
    Te marquei numa TAG lá no blog. =)
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  5. Oi Nessa! Eu não conheço essa edição mas é sempre bom ter um exemplar de Orgulho e Preconceito na nossa estante! Acho engraçado como o Colin Firth ficou a cara do Darcy, é difícil eu conseguir esquecer esse papel dele rsrsrrs Adorei a resenha.

    BJs, Mi

    O que tem na nossa estante
    Sorteio A guerra que salvou a minha vida

    ResponderExcluir
  6. Oi Nessa,
    Eu já li e vi o filme, mas penso que preciso reler e assimilar a história, sabe? Foi uma leitura complexa para mim, sinto que perdi muita coisa para uma história tão linda e icônica.
    Beijos
    https://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oie Nessa =)

    Pode uma pessoa amar o filme, mas não curtir o livro? rs... Pois essa pessoa sou. Amo o filme, tanto que já vi ele várias vezes, mas o livro ... confesso que foi uma leitura bem sofrida viu.


    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  8. Oiee Nessa ♥
    Não acredito que não conheço o livro nem o filme, mas confesso que fiquei encantada com essa história de amor kk


    Beijos ♥
    http://blogdathaiara.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Ahhh, eu preciso tanto ler esse livro clássico da Jane Austen!!!! :(

    Visite o nosso blog:
    https://gemanas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Adoro Orgulho e Preconceito, tanto o livro como o filme
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  11. Oi Nessa.
    Eu sou super fã de Austen! Ainda não consegui ler todos os seus livros, mas dentre os que li, Orgulho e Preconceito é o meu preferido! Aliás, este é o meu livro preferido entre todos os que já li na vida! Já assisti a série umas duas vezes e o filme, já perdi a conta de quanta vezes assisti e nunca me canso. Eu tenho um carinho imenso por este filme, porque foi ele que me fez querer ler e conhecer tudo sobre o universo de Austen. Adorei sua resenha. Bjus
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir