05/06/2017

Resenha: Grandes Esperanças - Charles Dickens

Título original: Great Expectations
Gênero: Romance inglês
Páginas: 528
Editora: Landmark
Classificação: 5/5
Comprar: Livraria Cultura
O livro Grandes Esperanças, uma das obras-primas do autor Charles Dickens - considerado um dos maiores escritores ingleses da era vitoriana e um dos pioneiros da crítica social - nos traz um romance estupendo e repleto de reviravoltas que foca na bondade, culpa, desejo e redenção de seus personagens. Publicado em 1861 originalmente como um folhetim e dividido em três partes, a obra de Dickens nos traz uma história avassaladora e inebriante e consegue nos surpreender a cada página.

Conhecemos a história de Philip Pirrip, ou melhor dizendo, Pip, um garoto órfão criado pela irmã mais velha, que é casada com um ferreiro da região, Joe Gargery. Eles vivem em um ambiente de pobreza, mas o que aflige suas almas é o modo truculento e grosseiro como são tratados por Mrs Joe, que aterroriza a vida de todos que a cercam. O único amigo de Pip é o seu cunhado Joe, um homem simplório e de bom coração que o auxilia em todos os aspectos. Porém, aos seis anos de idade, Pip comete um crime que marcará sua vida para sempre: ele ajuda o prisioneiro Abel Magwitch a fugir da polícia em meio às charnecas e esse fato acaba moldando profundamente o seu futuro.

Por influência de Mr. Pumblechook, tio de seu cunhado, Pip consegue um emprego como garoto de companhia na soturna e misteriosa mansão de Miss Havisham e é justamente nesses aposentos que ele conhece a filha adotiva dela, Estella, bem como seu advogado Mr Jaggers, o jovem Herbert Pocket e outros parentes da triste e amargurada senhorita. Entretanto, a vida de Pip é radicalmente mudada quando ele deixa de prestar esses serviços ao ser informado por Mr Jaggers que um benfeitor anônimo se propôs a financiar seus estudos em Londres e torná-lo um verdadeiro cavaleiro, lhe deixando sua fortuna como herança e provocando no jovem grandes esperanças com relação ao seu futuro. O deslocamento de Pip para Londres, seus esforços para adquirir modos cavalheirescos e gerir a fortuna que lhe foi ofertada são o cerne do romance de Dickens, por sinal, profundo e intensamente memorável.

Grandes Esperanças arraiga em seu interior diversos sentimentos e questões acerca da vida, mas o elemento chave do romance de Dickens nada mais é do que a redenção pura e total de seus personagens. Retratando temas como justiça, desigualdade social, a expansão do império britânico e demais aspectos coloniais, Charles Dickens conduziu sua trama com maestria e destilou sua ironia e inteligência em cada trecho do enredo. O desenvolvimento da história gira em torno do futuro de Pip e as mudanças sofridas pelo personagem se tornam uma verdadeira bússola para que possamos compreender o enredo e mergulhar em diversos dilemas que povoam a escrita de Dickens. Narrado em primeira pessoa por Pip, de uma forma bem intensa e profunda - onde o protagonista se desnuda e deixa explícito tanto as suas virtudes quanto os seus defeitos -, o livro conseguiu me cativar do início ao fim e mostrar a densidade das ilusões e obsessões mais obscuras.

Acompanhar a infância de Pip até a sua vida adulta se mostrou uma jornada bem interessante e deveras inteligente. No decorrer dos anos, o garoto ingênuo que foi criado sob o forte jugo da irmã autoritária e de traços violentos passa a se deslumbrar com os presentes que o futuro lhe traz e isso lhe desperta ambição e por conseguinte ingratidão. A única coisa que permanece pura no coração de Pip durante o desenvolvimento de sua história é a sua paixão intensa e irrefreável por Estella. O calcanhar de Aquiles do personagem é justamente esse amor poderoso, que o torna frágil e sujeito a humilhações e todos os tipos de desprezo por parte da arisca e irascível moça. Estella foi criada por Miss Havisham para ser uma mulher forte e de coração inquebrantável, o que acabou sugando todos os seus sentimentos e lhe tornando uma jovem fria e calculista.

"Oh! Eu tenho um coração que alguém pode apunhalar ou crivar de balas, não tenho a menor dúvida, e é claro que se ele deixasse de bater eu deixaria de existir. Mas você sabe o que eu quero dizer. Não tenho nenhuma doçura no coração. Nada de simpatia... de sentimento... Isso é tolice."

Abel é um personagem icônico e com uma importância palpável no enredo. Mesmo surgindo como um prisioneiro inescrupuloso e que luta avidamente para salvar sua pele, ele também tem as suas qualidades, mesmo que bastante camufladas. Miss Havisham foi uma coadjuvante importante na trama de Dickens, além de ter sido intrinsecamente dissecada no enredo. Sua amargura e tristeza a deterioraram por dentro, fazendo com que ela até mesmo perdesse a lucidez e criasse uma aparência mórbida e soturna. Ao criar Estella para ser uma mulher insensível e sem nenhum traço de ternura, ela acreditava estar protegendo a jovem de um futuro de desilusões e mágoas, tal qual como teve ao ser abandonada no altar no dia de seu casamento. Ainda em tenra idade, ela usou de todos os artifícios possíveis para que Pip se apaixonasse por sua filha adotiva e que sofresse por esse amor até o fim de seus dias.

"Eu roubei seu coração e pus uma pedra de gelo em seu lugar."

Resumidamente, Grandes Esperanças é um livro estupendo e único, tecido com uma inteligência admirável e apresentando uma cadeia de personagens unidos por sentimentos intrínsecos e viscerais. Acompanhar a evolução de seus protagonistas e a redenção que acaba se derramando sobre eles em momentos distintos do enredo foi algo memorável e inesquecível. Em 1998, foi feita uma adaptação cinematográfica do livro com Ethan Hawke e Gwyneth Paltrow nos papéis principais e em 2012 tivemos uma nova versão do filme em homenagem ao Bicentenário de Charles Dickens, que conta no elenco com Helena Bonhan-Carter, Ralph Fiennes e Jeremy Irvine e que conseguiu transmitir todo o brilhantismo e magnetismo da obra. A capa do livro é hard cover e nos traz o poster do belíssimo filme de 2012 e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade, sem contar que essa edição é bilíngue e nos traz a história na língua inglesa. Recomendo, com certeza!

Confira o trailer da adaptação cinematográfica de Grandes Esperanças (1998):






Confira o trailer da adaptação cinematográfica de Grandes Esperanças (2012):





8 comentários:

  1. Oi Nessa,
    Ah vários clássicos britânicos que preciso ler, esse lembro que fiquei super curiosa quando a última série saiu.

    tenha uma ótima terça :D
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  2. Oi Vanessa,
    Eu já tinha ouvido falar da adaptação de 1998, só que a trama nunca me traiu. Mas que bom que você gostou do livro. Ótima resenha!!

    *bye*
    Marla
    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olha, sinceramente não sei se leria o livro, mas a adaptação cinematográfica.... ah, essa eu adoraria ver. Aí, quem sabe depois até me animaria em ler o livro, né não?!

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    Romantic Girl

    ResponderExcluir
  4. Oi Nessa! Nossa que bacana ver uma resenha de Charles Dickens! Ás vezes a gente fica tão presa nos livros atuais e de parceria que esquecemos os clássicos. Do autor eu li A Christmas Carol, mas Oliver Twist já está na minha lista de leituras e este também! Adorei a resenha!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Oioi bonita!

    Eu tenho muita vontade de ler as obras de Charles Dickens, adorei saber que tem adaptações cinematográficas! Mas vou primeiro dar chance ao livro, adorei a resenha!!

    Beijão,
    www.cretinaliteraria.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Nessa, sua linda, tudo bem?
    Nossa!!!!! Que texto!!!! Sua resenha está impactante, adorei!!!!! Eu sou louca para ler esse clássico, recentemente adquiri uma edição e você acaba de me deixar sem chão. Ai que vontade de passar ele na frente de todos, risos...
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Nessa
    Nunca li nada do autor e morro de curiosidade. Não conhecia este e nem a adaptação. Fiquei curiosa.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. oi Nessa, nunca li esse livro, apesar de clássico e super famosos, me deu uma curiosidade enorme
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir