05/02/2018

Resenha: A Melodia Feroz - Victoria Schwab

Título original: This Savage Song
Gênero: Distopia/Fantasia
Páginas: 384
Editora: Seguinte
Classificação: 5/5
Comprar: Saraiva
O livro A Melodia Feroz, primeiro volume da série Monstros da Violência, de Victoria Schwab, nos traz uma distopia interessante e um tanto original sobre monstros e suas vertentes. Repleto de analogias e recheado de adrenalina, o enredo se mostrou bastante promissor, enérgico e criativo.

Vivendo em lados opostos de uma cidade dividida entre os pólos Norte e Sul, August Flynn e Kate Harker pertencem a facções distintas em meio a uma onda tenebrosa de violência. Ambos são filhos dos líderes destes territórios inimigos e possuem objetivos bem diferentes entre si. Enquanto Kate sonha em ser tão cruel e implacável quanto o pai, o caçador de monstros Callum Harker, August almeja ser como seu pai, Henry Flynn: um homem bondoso e defensor dos inocentes, independente do formato que eles ostentam. Entretanto, August é um sunai, ou seja, um monstro que nasce de grandes desastres e é capaz de roubar a alma de suas vítimas com uma leve nota musical.

Depois de um longo período ausente, Kate volta à cidade e August acaba entrando no mesmo colégio que a garota com o intuito de vigiar os seus passos. Porém, não é nada fácil ocultar sua verdadeira identidade da filha do caçador, principalmente quando os dois se encontram às vésperas de uma grande revolução e precisam unirem  suas forças para sobreviverem a esta grande batalha...

A escrita de Victoria Schwab não é nova pra mim graças ao livro A Bruxa de Near (Planeta do Brasil - 2013), que por sinal se tornou um dos meus queridinhos do gênero, entretanto confesso que fiquei assombrada com a versatilidade da autora em A Melodia Feroz. Além de ter arquitetado uma distopia intrincada e permeada de suspense, Victoria Schwab soube introduzir magistralmente em sua trama os monstros e criar uma mitologia interessante e bem articulada para esses seres no enredo. E um dos pontos que merecem destaque na história é justamente quando passamos a descobrir quem são os verdadeiros monstros dentro deste contexto e até onde eles são capazes de ir para atingirem os seus intentos, se mostrando cruéis, irascíveis, mesquinhos e claro, intrinsecamente humanos. Narrado em terceira pessoa de uma forma bem panorâmica e abrangente, o enredo se  iniciou morno, mas foi aumentando gradativamente de temperatura e, ao final da leitura, conseguiu banhar o leitor em um mar de adrenalina e emoção.

Mesmo sendo um sunai, August é mais humano do que muito ser humano, se encantando com a bondade presente na humanidade e idealizando justamente esse caminho para sua vida. Ele é extremamente benevolente, se doando de corpo e alma para ajudar as pessoas ao seu redor e foi um dos personagens que eu mais admirei e com quem mais me afeiçoei na trama. Além das qualidades já citadas, ele é extremamente forte e poderoso, mas camufla todos os seus dons para não machucar aqueles que o cercam, sendo capaz até mesmo de ofertar a própria vida por aqueles que ama. Gostei da química entre ele e a Kate e notei, de certa forma, que um completa o outro de uma forma harmoniosa e imbatível.

Kate surge na trama como uma garota revoltada e carente, disposta a tudo para provar o seu valor para o pai, mesmo que tenha que cometer as piores atrocidades e barbáries para isso. Porém, por trás dessa couraça de rebeldia e selvageria, se esconde uma menininha que perdeu a mãe muito cedo e viveu a vida inteira carente de afeto e afeição. Confesso que demorei um bom tempo para criar empatia com a personagem, principalmente por conta de seu jeito bad girl e comecei a vê-la com bons olhos após a sua amizade com o August. Por meio da presença dele, muitos conceitos de Kate caem por terra e mesmo sem perceber, ela acaba se tornando um ser humano melhor.

Em síntese, A Melodia Feroz se mostrou uma distopia original e singular, provando que nem todos os monstros são maus e que existem muitos lobos vestidos em peles de cordeiro e apontando suas garras sujas para os outros, enquanto tentam disfarçar suas pegadas impregnadas de ódio e destruição da face da terra. Em meio a crises familiares, monstros em profunda revolta e um tratado de paz prestes a ser rompido, temos personagens explosivos e temperamentais, fazendo o melhor que podem para estabelecerem a paz e fazer valerem os seus princípios, enquanto lutam dia após dia contra os seus próprios demônios. A capa do livro é bem atraente e chamativa e nos traz a gravura de um violino em tons escarlates, reproduzindo em seu interior as imagens de um cenário urbano e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo ☺

13 comentários:

  1. Oi Nessa
    Sua resenha me deixou curiosa, parece ser uma ótima distopia e faz tempo que não leio algo do tipo. Gostei da premissa.

    Beijinhos
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Nessa,
    Tudo?
    Estou voltando devagar das férias de verão e vim te visitar. Não conhecia esse livro mas realmente chamou minha atenção. Gosto muito de distopias e essa parece ser um pouco diferente de tudo que conhecemos, se puder também quero conhecer.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oiii Nessa

    Sério que "A Bruxa de Near" é um dos teus queridinhos? Tenho ele pendente pra ler e ja me animei só de saber.
    A Melodia Feroz me chama muito a atenção, aliás, todos os livros da Schwab me chamam a atenção e agora que soube que a editora está por publicar a segunda parte quero muito conferir a dualogia.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Vanessa!
    Vejo muita gente falar sobre essa autora mas ainda não me animei a ler nada dela.
    Achei o enredo de A Melodia Feroz bem interessante e o que você falou me passou a impressão que é um daqueles livros que queremos ler sem parar.
    Estou quase convencida a dar uma chance pra autora. :)
    Beijos!

    Mais Uma Página

    ResponderExcluir
  5. Oie,

    tenho muita vontade de ler esse livro!

    Abraços...

    submundosliterarios.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Nessa, tudo bem?
    Ainda não conhecia, valeu pela dica
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  7. apesar desse enredo não ter chamado muito a minha atenção, fica a dica!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Nessa, eu li Um tom mais escuro de magia da autora e adorei! Virei mega fã dela, então acho que mesmo não curtindo distopias, vou gostar do livro!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  9. OI, Nessa.
    Tudo bem?

    Esse livro eu recebi da editora tem uns dias. Estou louca para ler e saber como é.
    Conheço muita gente que está elogiando bastante.
    Gosto de distopias, gosto de monstros e ainda mais sabendo que eles nem sempre são maus, já me atraiu.

    Beijos,
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Curti bastante o post! O livro parece ser bem interessante!

    Ótimo post!
    beijo, até a próxima!
    >>> https://gilustre.blogspot.com.br/2018/02/8-principios-da-meditacao.html

    ResponderExcluir
  11. Oi Nessa,
    Eu também curti essa leitura.
    Gostei da mensagem e estou ansiosa pelo segundo!

    bjs
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  12. Oi Nessa,
    Meu primeiro contato com a autora não foi positivo, então estou com receio de comprar essa obra. Você elogiando, até fico na curiosidade, mas quero comprar por um preço acessível para não me decepcionar tanto.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Olá Nessa,

    Acho que essa é a primeira resenha que leio desse livro, gostei bastante, não dava nada para ele, já vai para a minha lista....abraço.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir