19/05/2018

Resenha: O Jogo do Anjo - Carlos Ruiz Zafón

Título original: El juego del ángel
Gênero: Romance espanhol
Páginas: 416
Editora: Suma de Letras
Classificação: 5/5
Comprar: Saraiva
Em O Jogo do Anjo, segundo volume da série O Cemitério dos Livros Esquecidos, do espanhol Carlos Ruiz Zafón, somos transportados para a Barcelona da década de 20 e conhecemos a história do escritor David Martín - um homem extremamente talentoso, entretanto, desprovido de toda e qualquer chance de oportunidade pela vida. Tal como no volume anterior, a trama criada por Zafón te faz prender o fôlego capítulo após capítulo, nos descortinando uma Barcelona quase que palpável e repleta de misticismo, além de nos reservar um desfecho inimaginável e praticamente evanescente.

Desde que nasceu, David Martín leva golpes seguidos da vida. Seu pai, então segurança do jornal La Voz de La Industria, morreu assassinado na porta da redação quando ele ainda era criança e, mesmo tendo um dom indescritível na arte da escrita, David nunca teve oportunidade de demonstrar todo o seu talento. Para piorar a situação do miserável jovem escritor, o grande amor de sua vida, Cristina, foi parar nos braços do seu melhor amigo e protetor, Pedro Vidal, herdeiro do jornal e dono do tiro fatal que ceifou a existência de seu pai.

Aos vinte e oito anos, friamente cínico, acostumado a vender o seu talento por migalhas e vivendo em um casarão funesto, David se descobre muito doente, lhe restando poucos meses de vida. Como que num passe de mágica, surge em sua frente Andreas Corelli, um editor de livros estrangeiro. De origem misteriosa e com uma fala mansa e macia, ele promete a David muito dinheiro e a aproximação dos dois miraculosamente restabelece a saúde do jovem escritor. Em troca, Corelli não lhe pede pouco: ele quer um livro capaz de impactar milhares de vidas e mudar o rumo da História como nunca antes. Entretanto, o grande dilema de David está justamente em questionar os intentos soturnos por detrás do enigmático editor e saber se está disposto a pagar um preço inestimável em busca de fortuna e sucesso...

O Jogo do Anjo é daquele tipo de livro que você não considera menos do que incrível. Com uma trama tecida por suspense, amor e fé e explorando todos os ângulos e recônditos de Barcelona, Zafón nos mostra porque é considerado um dos autores mais promissores e talentosos da Espanha e como alcançou a marca de mais de um milhão de exemplares vendidos apenas em seu país natal. A forma como Barcelona ganha vida através de sua escrita e toda a bruma de miserabilidade que envolve seus personagens constroem uma história única, singular e praticamente épica. Adentrar o mundo de David Martín foi uma verdadeira exploração pelo desconhecido e os devaneios do protagonista concederam uma magia peculiar ao enredo, daquele tipo que fomenta ainda mais a curiosidade do leitor conforme vai avançando em suas páginas. Narrada em primeira pessoa por David, de modo intenso, intrínseco e quase que pungente, a história conseguiu me encantar, se mostrando perfeita, incrível e memorável.

David é como eu, você e milhares de pessoas ao redor do mundo: é um homem que se alimenta de esperança dia após dia no anseio de sobreviver a si mesmo e aos outros e selar a sua importância na Terra. Açoitado cruelmente pela vida desde criança e detentor de um incrível dom, ele tenta se sobressair todos os dias em que levanta da cama, mas em quase todas as vezes que tenta, as oportunidades lhe são negadas. Imerso por um vazio existencial, David se descobre com um tumor que irá lhe ceifar o restante da vida miserável que leva, entretanto eis que surge uma espécie de gênio da lâmpada em sua vida, disposto a conceder os seus maiores desejos por um preço aparentemente irrisório, visto que a arte da escrita sempre correu por suas veias. Entretanto, tal como um advogado do diabo, a presença de Andreas Corelli solidifica sua vida em um conglomerado diferente e o livro que o soturno editor lhe pede é praticamente uma bíblia da nova geração, com o propósito de editar e reescrever tudo aquilo que um dia foi acreditado e compartilhado pela humanidade. David é um personagem complexo ao mesmo tempo que é muito próximo do real, tendo a sua humanidade magistralmente traçada no enredo. Suas escolhas talvez não tenham sido das mais acertadas, mas há de convirmos que ele era do tipo de pessoa que não teve muita estrutura na vida, o que acabou lhe transformando em um apostador da própria sorte. Há algo de exótico na construção do personagem e na forma como a realidade e a fantasia se mesclam em sua moldura e um dos pontos mais curiosos e que também que me encantaram na trama foi a sua fiel devoção aos livros, especialmente a um exemplar de Grandes Esperanças, de Charles Dickens, que marcou sua passagem da adolescência para a vida adulta com afinco, esperança, lágrimas e sangue.

"Um escritor nunca esquece a primeira vez em que aceita algumas moedas ou um elogio em troca de uma história. Nunca esquece a primeira vez em que sente o doce veneno da vaidade no sangue e começa a acreditar que, se conseguir disfarçar sua falta de talento, o sonho da literatura será capaz de garantir um teto sobre sua cabeça, um prato quente no final do dia e aquilo que mais deseja: seu nome impresso num miserável pedaço de papel que certamente vai viver mais do que ele. Um escritor está condenado a recordar esse momento porque, a partir daí, ele está perdido e sua alma já tem um preço."

Apesar de David ser o epicentro da trama construída por Zafón, os demais personagens também possuem seu brilho próprio e sua devida importância no enredo. Andreas Corelli foi uma das figuras mais misteriosas e enigmáticas do livro e eu, particularmente, tracei uma série de suposições a respeito do personagem e de sua origem, mas prefiro não compartilhá-las para não ofuscar o brilhantismo da obra. Não nutri tanta simpatia por Pedro Vidal e acredito que isso se deva ao senso de fraqueza arraigado em sua alma, mesmo ele tendo mostrando uma compaixão quase que sobrenatural no enredo. Cristina conseguiu ganhar a minha afeição e o meu coração quase sangrou com muitas das passagens pela quais a personagem enfrenta, principalmente ao notar que suas piores mazelas são uma espécie de expiação pelos pecados de David.

"Essas páginas serão nossa memória, até que seu último suspiro se apague em meus braços e eu a acompanhe mar adentro, onde nasce a corrente, para mergulhar com ela para sempre e poder, enfim, fugir para um lugar onde nem o céu e nem o inferno possam nos encontrar, jamais."

Resumidamente, O Jogo do Anjo nos mostra com esplendor e requinte de detalhes toda a beleza e misticismo de Barcelona e nos guia por um labirinto de segredos, amor, paixão pelos livros e fortes elos de amizade. O enredo revisita também, com muito saudosismo, locais familiares como a livraria Sempere e Livros, trazendo muitos personagens queridos para o olho de seu furacão. A capa do livro é lindíssima e nos traz uma alameda arborizada de Barcelona no início do século XX e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo, com certeza!

Confira a resenha do volume anterior da série O Cemitérios dos Livros Esquecidos:

►A SOMBRA DO VENTO


8 comentários:

  1. o enredo narrado por você é muito intrigante! Fiquei bem curiosa!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oie Nessa =)

    A cada resenha fico ainda mais curiosa para ler as outras obras do Zafon! As narrativas dele parece ser intrigantes e super envolventes.

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  3. Parece ótimo!

    Se quiser participar, estou sorteando alguns livros lá no blog: http://www.cobaiaamiga.com/2018/05/sorteio-de-livros.html

    ResponderExcluir
  4. Oi Nessa,
    Eu e o Zafón não somos muito amigos, sabe? :(
    Nunca consigo me apegar as suas histórias... Uma pena!
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá Nessa, tudo bem?

    Esse livro está na minha lista de desejados, só leio resenhas positivas e a sua não é diferente, ótima resenha....bjs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Vanessa, tudo bem?
    Pela sua resenha a trama parece ser bem instigante e carregada de mistério. Estou ficando animada e curiosa para ler os livros do autor, dica anotada.

    *bye*
    Marla
    https://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oie
    Faz séculos que tenho vontade de ler está série. O enredo parece ser muito bom. Preciso separar um tempo para le-lo.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Menina, tem tempo que não leio algo do tipo. Anos! Esse livro deve mesmo ser muito bom. Já quero!!!

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    ROMANTIC GIRL

    ResponderExcluir