06/08/2018

Resenha: Um Amor de Quatro Patas - Sérgio Chimatti

Edição: 1
Ano: 2017
Gênero: Romance Espírita
Páginas: 384
Editora: Vida e Consciência
Classificação: 3/5
Comprar: Saraiva
O livro Um Amor de Quatro Patas, escrito por Sérgio Chimatti e inspirado pelo espírito Anele, nos traz um romance interessante e bem abrangente sobre a importância e o papel dos animais no mundo espiritual. Confesso que essa vertente me agradou bastante e conseguiu até mesmo me emocionar em muitas partes do livro, entretanto o núcleo humano do enredo deixou muito a desejar e não conseguiu me cativar tanto quanto eu gostaria.

Alicia, o pequeno Denis e Jorge formam uma família muito feliz e unida. Jorge é engenheiro e acaba de receber uma proposta para se mudar para o interior junto com a família, para comandar a construção de uma usina hidrelétrica. Chegando no local, as coisas não são tão fáceis quanto ele imaginava e ele precisa lidar com um grupo de ativistas que lutam ferozmente contra a construção, alegando que a usina irá prejudicar a fauna e a flora da região. Muitos embates acontecem até que ambas as partes entram em acordo, rompendo até mesmo a animosidade existente entre o engenheiro e a líder dos ativistas, Neusinha. Quando tudo parece finalmente estar entrando nos trilhos, uma tragédia acontece, afetando profundamente Jorge e sua família.



É justamente através da dor que Jorge e sua família irão passar pelo processo de evolução, aprendendo que ninguém pode impedir a roda da vida de girar e que tudo que acontece tem a devida importância em nossos destinos. Por meio dos personagens, iremos compreender também a importância e o papel fundamental de todos os seres da criação, especialmente dos "seres de quatro patas", e como o amor e o respeito por eles são extremamente essenciais em nossas vidas.

Um Amor de Quatro Patas trata de um tema que eu aprecio bastante e teve uma abordagem muito carismática e emotiva a respeito dos animais, especialmente sobre os cachorros. Me emocionei bastante com o amor devotado desses anjinhos de quatro patas e por saber da devida importância deles em nosso processo de evolução. Entretanto, os personagens da história deixaram bastante a desejar e, em muitos momentos, me peguei até mesmo indignada com eles e com os papéis que eles se propuseram a prestar dentro do enredo. Narrado em terceira pessoa de forma clara e sucinta, o livro trouxe um tema muito bonito e cativante, entretanto pecou demasiadamente por conta de seu núcleo de protagonistas.

Eu me apaixonei por notar a importância dos cachorros na história e como eles são instrumentos fundamentais no nosso processo de evolução. Tal como eu sempre suspeitei, a existência deles na Terra é muito mais ampla do que o ser humano poderia supor e os seus espíritos tem um grau de evolução elevado, puro e abnegado. Me emocionei em diversas passagens e as lágrimas rolaram livremente e incessantemente, tamanha a minha sensibilidade com muitas das situações que ocorreram no enredo.

Os personagens da trama me desagradaram e muito, em especial o triângulo amoroso formado por Jorge, Alicia e Neusinha. Eu prezo muito monogamia e histórias que tentam romantizar a infidelidade nunca funcionaram comigo, e aqui isso não foi diferente. Primeiramente, após a tragédia que acontece com sua família, Alicia resolve passar uma temporada na casa de seus pais, enquanto Jorge, solitário e ainda tentando digerir tudo o que aconteceu, começa a se aproximar de Neusinha cada vez mais. Quando os dois acabam ficando mais próximos e algo acontece, Alicia retorna completamente alienada religiosamente, tachando de pecado tudo o que povoa e rege a sua vida. Essa foi a primeira parte que eu não gostei da história, pois tentaram colocar a esposa traída como uma mulher desequilibrada, dando a impressão de que a incoerência mental de Alicia foi o que jogou o marido nos braços da amante ao invés de elucidar que ele se apaixonou verdadeiramente e poderia se separar legalmente para vivenciar esse amor. A partir daí, a história começou a desandar totalmente pra mim, principalmente quando Jorge quer o arroz com feijão, mas também não quer largar o macarrão e não se sente nada desconfortável com a situação, pelo contrário, ele compara Alicia e Neusinha a um sorvete napolitano, frisando que ambos os sabores são essenciais para formar a essência do sorvete. Talvez eu não tenha a mente tão aberta para esse tipo de situação ou até mesmo não tenha alcançado um grau de evolução equivalente, mas o fato é que esse ponto da trama não me desceu pela garganta e foi um dos motivos de eu ter me desabonado tanto com o livro.

Em síntese, Um Amor de Quatro Patas tem uma abordagem muito bonita e peculiar sobre a vida animal, falando da sua importância no mundo espiritual e levantando bandeiras cada vez mais atuais, como o não consumo de carne animal, a preservação da vida e da natureza e outros tópicos igualmente interessantes. Entretanto, apesar de ter uma temática que muito me agradou, o livro foi caindo gradativamente em meu conceito por conta do papel que os personagens se prestaram ao longo da trama e que muito me desagradou. A capa do livro é muito singela e bonita, nos trazendo a imagem de um garotinho acompanhado de um lindo cãozinho e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Apesar das ressalvas, não deixo de recomendar o livro.

7 comentários:

  1. Ah que livro mais fofo, ainda não conhecia. Gostei muito da sua resenha!

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. oi Nessa, adoro histórias com animais, se forem cães então! que legal esse enredo!!!!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi Nessa, tudo bem?
    Já li livros espíritas, mas não fazem muito meu gênero, de modo geral. Esse lance da traição também já me fez torcer o nariz, não gosto nem aprovo meeeesmo. :(
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  4. Oi Nessa, tudo bem? Não costumo ler tanto livros do gênero, mas pela resenha já deu pra perceber que tem uma história muito bonita!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Oi Nessa,
    Que capa fofa! Ah, qualquer coisa envolvendo doguinhos me emociona. Sinto muita saudades do meu, então...
    Uma pena sobre o lance da traição, tb não curto.

    até mais,
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  6. Bom dia Nessa,

    Não conhecia o livro, mas infelizmente não faz meu gênero...abraço.

    http://devoradordeletras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Os animais são sempre especiais na nossa vida né, vim ler a resenha por conta da capa rsss Beijos Monalise
    Blog www.dividindoexperiencias.com
    Canal https://www.youtube.com/channel/UCYtduCXccMJbbURoQV5TMfQ/videos

    ResponderExcluir