21/10/2018

Resenha: O Diário de Mr. Darcy - Amanda Grange

Título original: Mr. Darcy's diary
Gênero: Romance Inglês
Páginas: 224
Editora: Pedrazul
Classificação: 5/5
O livro O Diário de Mr. Darcy, da inglesa Amanda Grange, nos traz uma releitura de Orgulho e Preconceito, sob o ponto de vista do mocinho do romance, Mr. Darcy. Confesso que sou avessa às novas roupagens dadas para os grandes clássicos da literatura mas, ao ver tantos elogios sendo tecidos à obra, resolvi dar uma chance e felizmente fui surpreendida positivamente com o talento de Amanda Grange. Escrito com delicadeza, encanto e preservando a essência do aclamado romance de Jane Austen, conhecemos Mr. Darcy de forma íntima, única e incrivelmente interessante.

Dividido entre o senso de dever e responsabilidade para com a sua família e pela sua forte e impetuosa paixão pela então plebeia Elizabeth Bennett, Mr. Darcy tenta de todas as formas possíveis lutar contra esse sentimento, mas as suas tentativas são todas em vão. Nascido no seio da aristocracia e neto de conde por parte materna, Mr. Darcy herdou um montante significativo de terras e uma grande riqueza, o que lhe concedeu um poderoso status social, o tornando extremamente influente no condado de Derbyshire, Inglaterra, no começo do século XIX. Entretanto, mesmo sendo um homem rico e dono de grandes posses, o seu diário nos revela os seus mais profundos sentimentos, que beiram tanto a alegria quanto a angústia e o tornam vulnerável e completamente entregue ao amor.


Disputado pelas damas da alta sociedade londrina, ele desperta para o amor a partir do seu encontro com Elizabeth Bennett em Meryton, pequeno vilarejo no interior do condado de Hertfordshire. Embora as suas primeiras impressões sobre a moça nublem os seus verdadeiros sentimentos por ela, Darcy vai se despindo pouco a pouco da sua indiferença inicial e se mostrando um homem íntegro, dedicado e totalmente carinhoso e resignado ao objeto de seu amor.

O Diário de Mr. Darcy nos traz o romance até então improvável entre Elizabeth Bennett e Fitzwilliam Darcy, sob o ponto de vista dele, focando em seus conflitos interiores, suas dificuldades para enfrentar o relutante relacionamento, bem como a sua rejeição inicial pela moça e a sua luta ardorosa e desesperada para angariar o coração dela. Narrado em primeira pessoa por Mr. Darcy no formato de diário, o livro se mostrou um verdadeiro deleite para os fãs de Orgulho e Preconceito, especialmente por manter toda a essência e a fórmula preconizada por Jane Austen.

Mr. Darcy foi esplendidamente retratado por Amanda Grange, iniciando a sua narrativa com toda aquela pose austera e orgulhosa que já conhecemos. Entretanto, por trás dessa personalidade impermeável e sisuda, conhecemos toda a devoção e o respeito que ele tem por sua família, sobretudo Georgianna e o carinho e o cuidado para com os seus amigos, que o leva a guiá-los pelos caminhos da intuição e persuasão. Alguns dos fatos mais notáveis vividos pelo personagem nesta releitura de Amanda Grange, são os seus diálogos com Bingley a respeito das suas impressões sobre a família Bennett e também os seus confrontos e negociações com o vilão George Wickham, em prol do bem-estar daqueles que ama. A sua transformação vivida através do amor que emerge por Elizabeth foi algo grandioso e muito bem lapidado pela autora, que deu uma ênfase marcante para os sentimentos do personagem, transportando-os para as páginas do diário de modo apaixonante e quase que latente.


'Ela não é bonita, e ainda assim eu prefiro olhar para o rosto dela do que para qualquer outro."

Elizabeth, tal como era de se supor, tem a sua participação na trama de Amanda Grange restringida à ótica de Mr. Darcy. E o modo encantador como ele enxerga a heroína de Jane Austen é de causar suspiros e profunda comoção, principalmente quando ele narra toda a inteligência, garra e independência de sua amada. Georgianna também teve um destaque marcante no enredo e eu, particularmente, gostei bastante do desfecho que a autora deu para a sua história, mesmo sendo algo que foge originalmente de Orgulho e Preconceito. Amanda Grange criou um romance majestoso para a irmã de Mr. Darcy, com toda a pompa, delicadeza e suavidade que a personagem merecia.

"Pense apenas sobre o passado quando a sua lembrança lhe der prazer."

Resumidamente, O Diário de Mr. Darcy foi uma grata surpresa para os fãs de Jane Austen, especialmente de seu aclamado romance Orgulho e Preconceito, por nos trazer detalhes, sentimentos e intimidades de um dos seus personagens mais queridos e apaixonantes. Outro ponto que merece destaque é que Amanda Grange retratou com fidelidade o enredo original e as pequenas modificações que surgem em seu romance não maculam a essência e o teor da obra de Austen, pelo contrário, a tornam ainda mais convidativa e intrigante. A capa nos traz a pintura de um dos retratos de Mr. Darcy e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo, com certeza!

9 comentários:

  1. Oi Nessa! Quando mexem com os clássicos a gente sempre fica com receio, né? Mas parece uma bonita homenagem e eu adoro o Darcy!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. Oie
    Não sabia que este livro era a visão dele, agora fiquei bem curiosa. Eu adoro Orgulho e Preconceito.

    Beijinhos
    diariodeincentivoaleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Nessa, sua linda, tudo bem?
    OMG!!!!! Preciso desse livro, risos.. Eu amo Orgulho e Preconceito e não sabia dessa versão sobre o ponto de vista dele. Já vi que irei amar ainda mais o personagem, não vejo a hora de me emocionar. Adorei sua resenha!!!
    beijinhos.
    cila.
    https://cantinhoparaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi Nessa,
    Essa editora arrasa, eu fico babando no catálogo deles, pois sou fã de romances de época. Esse é um dos que estou namorando faz tempo, você só me deixou mais animada para ler. Parabéns pela resenha.
    Bjs.
    Pri.
    https://nastuaspaginas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi Nessa,
    Também fico com pé atrás com essas novas roupagens.
    Mas também fiquei curiosa. Até separei O&P pra reler esse ano, mas acho que não vai rolar.

    até mais,
    Nana e Leticia - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  6. Oie Nessa =)

    Confesso que apesar de ser uma obra aclamada eu não consegui me envolver com a leitura de Orgulho e Preconceito =(.

    Mas talvez, com essa nova abordagem e ponto de vista a narrativa consiga me envolver. Lendo a sua resenha acho que vale a pena dar uma chance.

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  7. Oi Vanessa, tudo bem?
    Gosto bastante de O&P e Darcy é um personagem cativante. Pela sua resenha a proposta da autora parece interessante, quero conferir. Ótima resenha!!!

    *bye*
    Marla
    https://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Nessa,
    Eu já conhecia o livro, mas não sabia que era a versão do Darcy da tão famosa e apaixonante história. Eu já li o original e não foi uma experiência tão boa quanto eu gostaria, tanto que comprei outra edição para tentar de novo, porque eu sou dessas, acho que li errado HAHAHAHAH
    beeeeijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi Nessa, AMO "Orgulho e Preconceito" e claro sou absolutamente apaixonada por Darcy, sempre tive muita vontade de ter esse livro e sua resenha só me animou em ler!
    Bjs
    https://eternamente-princesa.blogspot.com/

    ResponderExcluir