01/06/2019

Resenha: O Jardim das Borboletas - Dot Hutchison

Título original: The butterfly garden
Gênero: Thriller policial
Páginas: 306
Editora: Planeta
Classificação: 5/5
Comprar:
Saraiva
O livro O Jardim das Borboletas, da americana Dot Hutchison, nos traz um suspense policial de primeira linha, repleto de mistério, terror e onde nada é o que realmente parece ser. Dividido entre passado e presente e com uma protagonista que segue uma linha de raciocínio nada confiável, a trama gira em torno de um serial killer obcecado por capturar a beleza de suas vítimas e que vai aos extremos da crueldade e da insanidade humana para isso. Com personagens fortes, intrigantes e repletos de facetas e um enredo ricamente elaborado, o livro se sagrou como um dos melhores thrillers policiais que eu li neste ano de 2019.

Em uma mansão isolada e quieta, circundada por um maravilhoso jardim, repleto de lindas flores e árvores frondosas, se esconde uma coleção de raras borboletas. Essas borboletas nada mais são que belas jovens, sequestradas e mantidas em cárcere privado por um homem brutal e obsessivo, que se autointitula como Jardineiro. Cada uma das moças é codificada por um nome de borboleta e, então, são tatuadas com o seu exótico desenho correspondente.

Quando tal "jardim" é descoberto pela polícia, uma das sobreviventes da terrível barbárie é levada às autoridades para prestar depoimento. A tarefa de juntar as peças deste quebra-cabeças macabro cabe aos agentes do FBI Victor Hanoverian e Brandon Eddison, que acabam trabalhando em um dos casos mais chocantes e perturbadores de suas vidas. Maya, a enigmática garota que sobreviveu as crueldades do Jardineiro, parece não muito disposta a esclarecer os sórdidos detalhes do que viveu no "jardim", o que acaba dificultando ainda mais o trabalho dos competentes agentes da polícia. Em meio a velhas mágoas e ressentimentos, traumas diversos e um relato de fazer embrulhar o estômago, fica evidente que se esconde segredos ainda mais obscuros por trás do terrível homem, obcecado pela beleza de suas vítimas...

O Jardim das Borboletas foi uma grata surpresa e um daqueles tipos de livro que conseguem te deixar intrigada do início ao fim da leitura. Com uma trama bem elaborada, intrincada e que não poupa detalhes sórdidos, a história de Dot Hutchison muito me impressionou e conseguiu me deixar aterrorizada por um bom tempo, visto que explora toda a maldade e sandice da mente humana. Narrado em primeira e terceira pessoa por Maya, o enredo é construído sobre uma base de suspense ímpar, que vai se descortinando pouco a pouco em meio as atrocidades que nos são apresentadas e que, de certa forma, acabou me lembrando vagamente o filme O Silêncio dos Inocentes, de 1991.

Maya é uma personagem forte e perturbadoramente misteriosa. Por mais que os seus relatos sejam claros, concisos e intrinsecamente pessoais, é perceptível que ainda existem esqueletos escondidos no fundo do armário e isso nos deixa ainda mais amedrontados e, claro, chocados com o que está por vir. A jovem foi espancada, mutilada e estuprada por diversas vezes, além de presenciar cenas atrozes e assassinatos cruéis e friamente arquitetados e, como mecanismo de defesa, quando estava sendo violentada, sua mente passava por uma espécie de abstração, mergulhando em livros, poemas e até nos contos góticos de Edgar Allan Poe. Mesmo sendo uma narradora nada-confiável, é por meio de sua ótica que ficamos conhecendo como o Jardineiro atuava e também a co-participação de sua família frente a toda barbárie enfrentada.

"Algumas pessoas desabam e nunca mais levantam. Outras recolhem os próprios cacos e os colam com as partes afiadas viradas para fora."

Os agentes do FBI Victor Hanoverian e Brandon Eddison são lados opostos de uma mesma moeda. Enquanto Hanoverian é arisco, incisivo e absurdamente desconfiado, Eddison é compreensivo, cria empatia por Maya e procura envolvê-la na mais profunda confiança, afim de que a garota se sinta protegida e revele com detalhes o que viveu nas mãos do Jardineiro. Entretanto, a jovem é ardilosa e escorregadia, tanto pelos traumas enfrentados quanto por seu instinto de sobrevivência, que a fortaleceu mas também lhe embruteceu perante as mazelas da vida.

"Meus segredos são velhos amigos. Eu me sentiria uma péssima amiga se os abandonasse agora."

Em síntese, O Jardim das Borboletas nos traz um suspense muito bem elaborado e conduzido, repleto de atrocidades, loucuras e obsessões. Com personagens que levam uma verdadeira vida dupla e um descortinamento pra lá de aterrorizante e surpreendente, o thriller de Dot Hutchison se mostrou uma excelente leitura e um dos melhores livros do gênero que eu li até o momento. A capa é hard cover e nos traz a ilustração de uma borboleta em meio a um montante de terra e a diagramação está bem caprichada, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo, com certeza!

8 comentários:

  1. Oi Nessa,
    Eu já tinha visto esse livro pelos sites de venda da vida, mas não peguei a obra para realmente conhecer.
    Parece uma livro muito bom, não esperava um thirller pelo título e capa e já fiquei na ansiedade.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Esse livro deve ser tão lindo como a sua resenha, amo como você escreve. Já entrou para a minha lista!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Nessa, sua linda, tudo bem?
    Eu comecei a ler sua resenha e pensei a mesma coisa, lembrei na hora do filme O Silêncio dos Inocentes. Nunca vi uma vítima não querer contar tudo o que sabe, tudo bem o trauma foi grande demais, por isso mesmo deveria dizer para prenderem o culpado. Eu queria ler, mas não sei se conseguiria, sou muito sensível. Adorei sua resenha.
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  4. Adorei seu esse seu artigo, realmente é um dos melhores blog que estou visitando. Suas postagens são excelente! Parabéns!

    Já até salvei em meus favoritos ❤️..

    Meu Blog: Blog Loteria da Caixa

    ResponderExcluir
  5. Oiii Nessa

    Eu queria muito ler esse livro no começo, mas ai com o tempo vi algumas resenhas bem negativas e acabei desanimando. Agora lendo a tua me interessou novamente. A sinopse é interessante e parece ser um thriller intenso, eu geralmente sou meio emotiva e sensível, mas curto um thriller forte de vez em quando. Vou anotar a dica, pra quando pintar a vontade de ler um livro mais tenso

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, Nessa! Não conhecia o livro, mas achei a sinopse e a proposta muito interessantes. Não é o tipo de livro que eu leria, até porque acredito que ficaria perturbada com a história por um bom tempo (sou bem sensível a temas como esse), mas confesso que fiquei bem curiosa! O título do livro faz com que a história pareça algo fofo e romântico, fiquei bem chocada ao ler a sinopse haha :)
    Amei a resenha ♥

    Beijos!
    Estante Bibliográfica > blog novo!

    ResponderExcluir
  7. Oii, tudo bem? Hihi ao contrário da outra resenha, acho que leria essa. Parece numa pegada um pouco mais forte, com cenas meio triste e um pouco tentador hihi
    Parece que a tal da Maya é uma sofredora e tanto, se fosse romance policial seria ainda melhor.

    Bjs, fica com Deus

    ResponderExcluir
  8. Olá Nessa,

    Gostei muito da sua resenha, esse livro está na minha lista de desejados e agora estou bem mais curioso...abraço.


    https://devoradordeletras.blogspot.com/

    ResponderExcluir