03/11/2019

Resenha: Boneco de Pano - Daniel Cole

Título original: Ragdoll
Gênero: Thriller policial
Páginas: 336
Editora: Arqueiro
Classificação: 5/5
Comprar: Saraiva
O livro Boneco de Pano, do inglês Daniel Cole, nos traz um thriller sombrio, bem orquestrado e de cunho bem surpreendente. Com personagens fortes e inteligentes e uma trama que te revira e te dobra pelo meio, o autor marcou a sua estreia na literatura com primor e nos brinda com um suspense tenaz e levemente mórbido.

O polêmico detetive William Fawkes, vulgo "Wolf", acaba de voltar à ativa depois de ficar meses sob tratamento psicológico, após agredir um réu durante um julgamento. Ansioso por assumir um caso importante, ele acredita que está no auge de sua carreira quando sua amiga e ex-colega de trabalho, Emily Baxter, pede a sua ajuda na investigação de um assassinato. O cadáver é composto por partes de seis corpos diferentes, costurados numa sincronia semelhante a um boneco de pano.


Enquanto Wolf se desdobra para identificar as vítimas, sua ex-mulher, a repórter Andrea Hall, recebe de uma fonte anônima fotografias do crime e uma lista contendo o nome de seis pessoas e as datas em que cada uma delas irá morrer para montar o próximo boneco. E o mais enigmático e bizarro em tudo isso é que o último nome da lista é justamente o de Wolf.

Para salvar a vida do amigo e ex-parceiro, Emily luta contra o tempo a fim de descobrir a conexão entre as vítimas antes que o criminoso ataque novamente. Enquanto isso, a suposta sentença de morte de Wolf acaba lhe despertando memórias sombrias, fazendo com que o detetive tema que os assassinatos em questão estejam mais ligados a ele do que qualquer um poderia imaginar...

Boneco de Pano nos traz um verdadeiro quebra-cabeças macabro, dotado de violência, astúcia e crueldade. Com personagens imperfeitos, bem moldados e com mentes tão ardilosas quanto a  do serial killer que aterroriza a trama, o enredo nos traz um suspense policial de primeira linha, onde nada é o que parece ser e onde a maldade humana pode ir mais além do que um dia poderíamos supor. Narrada em terceira pessoa de forma veloz e arisca, a história segue um ritmo alucinante e tem um desfecho extremamente surpreendente.

Wolf não foge muito do estereótipo dos detetives de tramas policiais, ou seja, é um homem divorciado, recluso e com problemas com algum tipo de entorpecente, no caso, o álcool. O que torna o personagem único e intrigante é o fato dele também estar na mira do assassino e por motivos obscuros que até então o leitor desconhece. O protagonista foi muito bem incorporado na trama e tem um raciocínio rápido e incisivo, sendo a única pessoa capaz de deter o assassino e jogar de igual para igual com ele. O passado do detetive é tão enigmático quanto o seu presente e é explorado no enredo de uma forma sombria, com toques até mesmo de humor negro.

"Não existe isso de 'gente má' ou 'gente boa'. Existem apenas aquelas pessoas que foram sacudidas além da conta e as que não foram."

Emily tem em Wolf um mentor e também o seu melhor amigo. Ela não poupa esforços e energia para ajudar o detetive e, assim como ele, também se vê envolta em um poço de caos e escuridão. O que chama a atenção na personagem é a sua inteligência aguçada e o fato dela tentar, a todo instante, estar um passo à frente do seu oponente - características essas tão raras nas tramas policiais atuais. As mortes, além de horripilantes, são muito bem orquestradas no enredo, soando bizarras, sombrias e como um verdadeiro golpe de mestre.

Em suma, Boneco de Pano foi um dos melhores thrillers policiais que eu li este ano, além de ser daquele tipo de livro que conseguiu me tirar o fôlego por diversas vezes, me deixando estarrecida com o seu desfecho final. Com personagens humanos, repleto de falhas e acertos e uma ânsia absurda em fazer aquilo que julga ser o correto, a trama de Daniel Cole se mostrou uma estreia brilhante e mal posso esperar para ler mais obras deste autor. A capa nos traz uma agulha enfiada em voltas de linha - fazendo alusão ao título - e com algumas gotas de sangue e a diagramação está bem caprichada, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo ☺


6 comentários:

  1. muito bacana essa indicação, ando com vontade de ler mais trhillers e esse parece mesmo ótimo

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  2. Oi Vanessa, tudo bem?
    Li bons comentários a cerca desse livro. Gosto de tramas policiais, mas esse toque macabro me deixa em dúvida a cerca de lê-lo ou não. Ótima resenha!!

    *bye*
    Marla
    https://loucaporromances.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi Nessa, fiquei feliz em ler sua resenha, eu li esse livro tem um tempinho e amei, me surpreendi muito com esse thriller, porque não tenho o costume de ler livros nessa temática! Amei essa capa tb!

    Beijos Mila

    Daily of Books Mila

    ResponderExcluir
  4. Oi Vanessa.
    Eu tenho esse livro faz tempo mas ainda não li. Gostei muito de saber que ele tem essa pegada tão eletrizante e que a personagem feminina não seja uma mera coadjuvante.
    Bjus

    ResponderExcluir
  5. Gostei bastante do artigo de hoje, sempre estou aqui acompanhando seu blog. Tenho aprendido muitas coisas legais aqui e te agradeço por compartilhar...

    Beijos 😘.

    Meu Blog: Dicas da Web

    ResponderExcluir
  6. Oi Nessa,
    Aiiii, se eu te falar que vi esse livro em promoção e não comprei você acredita? Se arrependimento matasse...
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir