18/09/2019

Resenha: Antes da Tempestade - Dinah Jefferies

Título original: Before the Rains
Gênero: Romance histórico
Páginas: 344
Editora: Paralela
Classificação: 5/5
Comprar: Saraiva
O livro Antes da Tempestade, da malasiana Dinah Jefferies, nos traz um romance histórico envolvente e rico em detalhes, que se passa na Índia colonial da década de 30.  Repleto de história, costumes e tradições e com um romance muito bem orquestrado e delicado, a autora conseguiu me ganhar mais uma vez, assim como fez em O Perfume da Folha de Chá. 

Após perder o marido, a jovem inglesa Eliza Fraser tem como única companheira sua câmera fotográfica. Determinada a se tornar uma fotógrafa profissional, ela aceita o convite do governo britânico para se hospedar no castelo da família real indiana pelo período de um ano, com o objetivo de retratar a vida do Estado principesco de Juraipore para o acervo da Coroa.

Quando conhece Jayant, o irmão mais novo do marajá, ela embarca em uma das aventuras mais transformadoras de sua vida. O príncipe rebelde e audacioso acaba por lhe apresentar uma terra linda e marcada por contrastes - de um lado, paisagens de beleza surreal e uma cultura vasta e vibrante; de outro, uma miséria devastadora e angustiante.

Eliza faz de tudo para abrir os olhos de Jayant perante a pobreza que circunda as margens do castelo, enquanto ele mostra a ela as injustiças e imposições do domínio britânico na Índia. Juntos e pertencentes a etnias completamente diferentes, os dois acabam descobrindo uma afinidade impressionante entre suas almas, que acaba culminando em uma linda e proibida paixão. Porém, a família real irá usar de todos os estratagemas possíveis e impossíveis para separar o nobre indiano e a viúva inglesa, custe o que custar...

Antes da Tempestade é um livro rico em história, cultura, diferenças sociais, religião e claro, romance. Tendo como pano de fundo um pais tão belo e marcado por contrastes quanto a Índia - com todo o seu misticismo, senso de preservação e forte dogmatismo religioso -, acompanhamos uma história de amor que se descortina pouco a pouco, em meio a um terrível caos, onde perigos, atentados e a vontade da família real se mostram mais fortes do que tudo. Os personagens habitam mundos completamente diferentes e tem as suas próprias visões de vida, que vão sendo modificadas paulatinamente, à medida que a convivência e a experiência de ambos vão se unificando como um todo. Narrado em terceira pessoa, de forma detalhada e amplamente panorâmica, acompanhamos um enredo majestoso, que se passa no coração da Índia colonial e mostra todo o poder e a exuberância do amor.

"Pela primeira vez na vida, ela realmente acreditava na existência de uma ligação entre duas almas; que de fato existem pessoas que você conhece profundamente. Pode ser que encontre algumas delas por apenas uma ou duas horas; pode ser que se tornem amigas para sempre. O pensamento a fez reconhecer que a Índia a estava transformando. Antes, ela nunca tinha pensado em alma. Para ela, os relacionamentos eram uma coisa complicada, que era melhor evitar, e não aquele processo triunfal de revelar outro ser humano, ao mesmo tempo em que era relevado."

Eliza é uma mulher forte, independente e dona de si. Quando chega na Índia e se depara com a antiga cultura deles, ela se choca imediatamente. Não só com todo o sectarismo religioso, como também com o papel da mulher naquele país e com as desigualdades sociais tão gritantes por ali. De um lado, ouro e riquezas sem fim; de outro, extrema miséria, onde os mais pobres não conseguem enterrar nem mesmo os seus entes queridos. Ela usa a sua habilidade de fotógrafa não só para retratar o pomposo cotidiano da família real, como também para ilustrar a extrema e caótica pobreza que se curva às margens do castelo, despertando a ira e o ódio dos poderosos da região, especialmente da Coroa indiana. Nesta sua aventura quase que jornalística, ela conta com o apoio do príncipe rebelde Jayant, que começa atuando como uma espécie de guia turístico e acaba por angariar o seu coração. O que mais me chamou a atenção na personagem é o fato dela ser extremamente forte e fazer a sua vontade prevalecer, mesmo em um território tão tradicionalista e arcaico como a Índia. Por ser inglesa e também viúva, ela é vista com maus olhos pelos moradores, visto que uma mulher não pode exercer todo o poder e autoritarismo que ela tem naquele país, como também por não ter se submetido ao ritual do Sati durante a morte do marido, que consiste em se jogar na pira funerária juntamente com o falecido, em um ato fiel de amor e purificação. Mesmo sendo uma cerimônia de origem hindu e que está sendo abolida pouco a pouco daquele país, os mais puritanos consideram a "vida" de Eliza uma verdadeira infâmia por conta disso. O seu romance com Jayant é cheio de perigos, atentados e sacrifícios, o que só solidifica e lapida cada vez mais o amor do casal.

"Para conhecer o amor verdadeiro, é preciso de deixar levar por ele."

Jayant, mesmo sendo criado na realeza indiana, tem um espírito livre e moderno. Ele tem extremo respeito pela cultura de seu país, mas em seu íntimo sabe que muito daquilo não tem significado nos dias atuais, se tratando apenas de meros costumes e tradições arcaicas. O personagem sintetiza bem a influência da política naquele país, especialmente a forte imposição do imperialismo britânico, o que nos traça um panorama interessante e extremamente abrangente sobre o tema. A sua paixão por Eliza vai se descortinando aos poucos, graças à forte influência e sintonia que existe entre eles, fazendo com o que o amor dos dois se mostre forte, poderoso e capaz de romper todo e qualquer moralismo social.

Resumidamente, Antes da Tempestade é um romance estupendo, com um pano de fundo ricamente histórico e uma linda e resplandecente história de amor. Seus personagens são fortes, determinados e não se deixam corromper pelas dificuldades, muito menos pela cultura e tradição que os circundam desde o berço, fazendo com que o enredo se torne ainda mais belo e memorável. A capa é belíssima e nos traz a imagem de uma moça contemplando a vista do Taj Mahal e a diagramação está ótima, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo, com certeza!

5 comentários:

  1. Oi Nessa, adoro quando um livro nos proporciona não só um bom enredo, como também uma cultura de que não conhecemos, ou vivemos!
    Acredito que iria adorar este livro, de acordo com sua resenha a protagonista não abaixa a cabeça, tem personalidade forte e adoro isso. Eu também amei a capa, tão linda!!

    Beijos Mila

    Daily of Books Mila

    ResponderExcluir
  2. gosto bastante desse tipo de romance histórico com personagens assim fortes, adorei conhecer esse livro

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  3. O único livro que li que falava sobre a cultura indiana foi a série do Tigre há alguns anos mas acho que teria gostado mais desse. A personagem parece ser mais forte, o que de cara já me deixa interessada. E também por ser um livro que mostra os dois lados do país, falando sobre desigualdades com um romance proibido no meio. É um combo hahah

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
  4. Oi Nessa,
    Minha mãe leu esse livro e AMOU! ♥
    Estou com ele e 'O Perfume da Folha de Chá' aqui para ler. Espero que goste tanto quanto vocês!
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oiii Nessa

    Essa ambientação me deixa mega curiosa porque eu amo o Oriente e a India é mesmo tão cheia de cor, mistério, história e contrastes que só pode sair uma trama rica como essa. Quero ler quando der com certeza.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir